«

»

fev 23 2021

Com expectativa de melhora da economia, 82% das empresas querem investir este ano

Indústrias registram crescimento das exportações

Depois de um ano totalmente atípico por causa da pandemia do novo coronavírus, 82% das grandes empresas brasileiras pretendem investir em 2021, revelou pesquisa feita com 452 corporações e divulgada hoje (23), pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

O valor é pouco abaixo dos 84% registrados em 2020 — antes da escalada global da Covid-19 —, e acima das intenções conferidas em 2018 (81%) e 2019 (80%). Os investimentos previstos devem ocorrer, principalmente, na melhora do processo produtivo, de acordo com 35% das indústrias.

O aumento da capacidade de produção se manteve no segundo lugar, mas o percentual passou de 23% em 2020 para 33% dos planos deste ano. O índice não superava 30% desde 2011, início da série histórica, e é o maior da série.

De acordo com os técnicos da CNI, a elevação indica a confiança dos empresários na recuperação da indústria após o período mais critico gerado pela pandemia. Para outros 15% dos entrevistados, o principal objetivo dos investimentos é manter a capacidade produtiva e, em 11% deles, introduzir novos produtos.

Em 66% dos casos, independentemente do foco de inovação previsto, há a expectativa de aquisição de máquinas. Além disso, o percentual do investimento voltados principalmente para o mercado doméstico aumentou de 36% para 39%, mas segue abaixo da média histórica, de 42%.

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), apontam que a atividade industrial recuou 4,5% em 2020, o pior desempenho em quatro anos. A pesquisa da CNI aponta que apenas 69% de quem tinha planos de investimento levou a ideia adiante, o segundo menor índice da série histórica iniciada em 2010 e abaixo dos 67% registrados em 2016.

Dois problemas ficaram praticamente empatados como os principais motivos para a frustração dos empresários: a reavaliação quanto ao mercado doméstico dos produtos (36%) e o aumento inesperado do custo previsto do investimento, incluindo aumento por conta de variação cambial (35%).

Em 2019, a mudança no mercado interno estava isolada em primeiro lugar. “Sentimos que os investimentos não foram feitos e foram adiados para este ano, pelo alto custo para investir e pela falta de alternativas de financiamento.

Para esse ano, percebemos uma preocupação muito grande com os processos produtivos, que devem ser melhorados, com a aquisição de novas máquinas e tecnologia”, explica o diretor de Desenvolvimento Industrial e Economia, Carlos Eduardo Abijaodi.

Com informações de JP

Foto: Indústria hoje

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*