«

»

jun 19 2013

DILMA ESTÁ NAS MÃOS DE FELIPÃO. SE O BRASIL PERDER AMANHÃ…

 RENATO RIELLA

Acabei de ver quase todos os telejornais. Percebo que três grandes reivindicações sobressaem-se sobre todas as outras.

Na origem, há a briga pela redução das passagens de ônibus, que governantes apavorados estão autorizando aqui ou ali (exceto em São Paulo).

De forma conceitual, há muitos cartazes contra a PEC 37, este golpe que os políticos querem dar na Constituição, proibindo o Ministério Público de investigar suas roubalheiras.

No entanto, o tema que cresce mais é a revolta contra a Copa do Mundo (que vai se estendendo também à proposta das Olimpíadas de 2016). Até a TV Globo hoje destacou isso bastante, de forma surpreendente.

Lembro que, nesses últimos meses, quase sempre venho alertando os governantes que o noticiário sobre a Copa é todo negativo.

Ninguém se preocupou nunca em gerar fatos positivos, que levassem as populações a se entusiasmarem com o campeonato mundial.

Além disso, nunca houve a mínima transparência em nada, inclusive na construção dos estádios, que vem sendo denunciada diariamente nos jornais e revistas como superfaturados. E os governantes nunca entraram nessa discussão, como se o povo não tivesse o direito de discutir os investimentos.

Dois dos mais importantes estádios, quando inaugurados, geraram repercussão negativa e revoltante.

O Maracanã ficou pronto e foi dado de presente pelo governador Sérgio Cabral ao seu grande amigo, um novo vilão nacional chamado de Eike Batista. Esse empresário de péssima imagem vai explorar (e ganhar dinheiro) com o Maracanã nas próximas décadas, embora o estádio tenha custado mais de R$ 1 bilhão ao povo.

Em Brasília, o primeiro jogo do Estádio Garrincha ofereceu renda perto de R$ 8 milhões. No entanto, a empresa que explorou a partida Santos x Flamengo pagou aluguel de apenas R$ 4 mil para usar o estádio, que custou cerca de R$ 1,2 bilhão.

Além disso, toda vez que a Fifa vem a público é para ofender, constranger e humilhar os brasileiros.

No jogo do Brasil contra o Japão, o monstruoso presidente da Fifa, Joseph Blatter, diante de uma vaia legítima e civilizada da platéia, demonstrou arrogância, exigindo do público “mais respeito e fair play”.

A presidente Dilma, ao lado do tal do Blatter, perdeu a oportunidade de virar heroína nacional. Devia ter desautorizado este cartola vagabundo, que não tem direito de dar sabão em 70 mil brasileiros que pagaram ingresso.

 

SE O BRASIL PERDER PARA

O MÉXICO, A CASA CAI

O governo e a presidente Dilma estão nas mãos do técnico Felipão. Se a Seleção Brasileira vencer o México amanhã, no Ceará, com uma exibição satisfatória, o sonho de fazer uma Copa do Mundo segue em frente, sob graves ameaças.

Se o Brasil perder para o México, aí a casa cai. E se a nossa Seleção perder também para a Itália e não se classificar para a Copa das Confederações, a situação fica completamente perdida.

Pelo que se vê, o risco de fracasso na realização da Copa do Mundo é grande.

As manifestações feitas em todo o Brasil até agora não ofereceram qualquer resultado. Nenhuma resposta. Diante disso, a meta que cresce é a de interromper a Copa das Confederações.

Hoje, no Ceará, haverá manifestação perto do estádio, mas não se pode imaginar que em Fortaleza haja movimento tão forte para impedir o jogo. Seria uma surpresa, uma grande zebra.

Mas a partida final da Copa das Confederações será no Rio de Janeiro, provavelmente sem a participação da Seleção Brasileira, que não parece ser a melhor. Já imaginaram o que pode acontecer nessa Cidade Maravilhosa?

É assim. O Brasil está num momento imprevisível, em busca de respostas. Mas não tem quem diga nada ao povo. Os manifestantes estão falando sozinhos.

CompartilheShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>


*