«

»

out 20 2015

ENQUANTO NÃO SE RESOLVER O PROBLEMA EDUARDO CUNHA, NADA FEITO

 

RENATO RIELLA

Os chamados analistas políticos complicam tudo, mas a situação brasileira é simples de entender para qualquer pessoa de primeiro grau.

Resumindo: enquanto não cair o tal Eduardo Cunha na Câmara Federal, nada caminha.

Depois dele, virá o processo de impeachment e também a discussão sobre Renan Calheiros, presidente do Senado, enroladíssimo.

Eduardo Cunha vai cair em prazo curto, mas enquanto isso não acontece, faz um estrago.

Hoje, nos jornais, o grande empresário Abílio Diniz afirma o que vi em agosto, quando fiz viagem de negócios de uma semana à Europa, acompanhando empresários brasilienses da área de Tecnologia da Informação.

Os estrangeiros estão esperando que o Brasil domine a sua crise política para voltar a investir no nosso país. Na situação atual, de desgoverno, eles preferem aguardar os acontecimentos. E, assim, nada se resolve.

Abílio Diniz, com muita experiência, mostra que a verdadeira crise brasileira é a crise política.

O mais surpreendente é ver políticos diversos afundando como um Titanic, às vésperas de uma eleição municipal, com medo das ameaças de Eduardo Cunha.

Muitos dirigentes da área política já ameaçaram afundar levando “todo mundo”, mas no fim não tiveram coragem de fazer uma delação premiada ou sem prêmio.

O próprio Marcelo Odebrecht, tripreso, ameaçou derrubar a República se fosse recolhido ao xadrez, mas está caladinho, caladinho, caladinho…

Quanto mais o Brasil demorar para se livrar de Eduardo Cunha, o prejuízo só vai aumentando.

Dito tudo isso, o grande desafio é conseguir um nome de peso para presidir a Câmara Federal. Quem? Quem? Quem?

CompartilheShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>


*