«

»

maio 25 2015

EUA SEGUEM O CONSELHO DE GARRINCHA E FALAM COM OS RUSSOS

CARLOS FINO

A recente deslocação do Secretário de Estado John  Kerry a Sochi, no Mar Negro, foi a primeira visita de uma alta personalidade norte-americana à Rússia, desde ainda antes do início do conflito na Ucrânia, o que, só por si, já diz praticamente tudo: depois de dois anos de hostilização e tentativa de  “isolar” Moscovo, Washington parece agora estar disponível para uma suavização das relações com o Kremlin.

Mas os pormenores da deslocação são ainda mais reveladores.

Em primeiro lugar, o próprio local do encontro: Sochi, a estância balnear russa por excelência, onde os dirigentes do Kremlin fazem questão de ter uma casa de férias (Pútin não é excepção) e onde Moscovo investiu pesadamente para possibilitar a realização dos últimos Jogos Olímpicos de Inverno, tão criticados a Ocidente.

Depois, a duração das reuniões: Kerry passou três horas com o seu homólogo russo, Lavrov, e quatro com Pútin, analisando todos os principais assuntos de interesse mútuo – do Irão à Síria, passando pelo ISIS e pela Ucrânia.

Finalmente, o teor das declarações, o dito e o não dito.

No caso da Ucrânia, onde EUA e Rússia têm agora um interesse comum na gestão da dívida de Kíev, o silêncio de Kerry sobre a Crimeia é bem significativo.

O responsável pela diplomacia da Casa Branca foi inclusive mais longe, aconselhando o presidente ucraniano Poroshenko a “pensar duas vezes” antes de reacender o conflito no leste,  para o qual – repetiu várias vezes – a única solução é cumprir os acordos de Minsk.

Estamos a ano e meio do final do segundo mandato de Obama e se alguma coisa o actual presidente americano pode deixar para a História é um acordo crucial sobre  a questão da energia atómica do Irão e eventualmente outro que ponha fim à guerra na Síria – duas questões para as quais precisa da colaboração de Moscovo, que tem uma relação secular com Teerão e outra muito próxima com Damasco que vem pelo menos do final da Segunda Guerra Mundial.

Não houve ainda uma verdadeira viragem nas relações entre os EUA e a Rússia. O entendimento parece antes ter sido o de concordar em desacordar numa série de pontos, mas convergir e cooperar onde for possível. E isto, face ao clima de hostilidade e quase confronto dos últimos tempos, já parece um começo degelo.

Depois de dois anos de impasse na frente leste, o inquilino da Casa Branca resolveu por isso fazer o que se impunha: falar com os russos, como aconselhava Garrincha. (Site Portugal Digital)

 

CompartilheShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>


*