«

»

jan 13 2018

Família sofre ataque de racistas com pichações em muro de casa

racismo

O muro de uma casa em Ribeirão das Neves, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, foi pichado com ofensas racistas na madrugada de ontem (12). O morador procurou a polícia para denunciar os ataques, que começaram há dois meses.

Na parede foram escritos os dizeres “Negrões imundos”, “Voltem para a África” e “Senzala – Escravos à venda”. A família que mora no local, um casal e três filhos, ficou chocada com as ofensas. “Na primeira pichação, achei que era alguém sem o que fazer. Simplesmente limpei o muro. Na segunda, comecei a ficar preocupado com a minha família e me senti ofendido e intimidado. Fiquei em estado de choque. Limpei o muro também. Não limpei da terceira, que deve ter um mês, e da quarta, que foi agora”.

A vítima conseguiu registrar um boletim de ocorrência por “injúria” e, segundo a Polícia Civil, o muro vai ser periciado. Além disso, buscas estão sendo feitas para identificar o suspeito.

“Eu queria pedir que não fizessem mais isso porque magoa muito. A gente é negro e tem sentimento”, pediu o morador.

Em entrevista ao G1, o presidente da Comissão de Promoção da Igualdade Racial da Ordem dos Advogados em Minas, Gilberto Silva Pereira, chama atenção para a forma como o crime foi registrado. Ele destaca que trata-se de um caso evidente de racismo, pois houve ofensa à coletividade, e não de injúria.

“Na verdade, estes atos são típicos de crime de racismo. Eles atingem a uma coletividade porque os dizerem são todos no plural, então atingem a intimidade de um grupo étnico. Isso caracteriza o crime de racismo. Deve ser buscada uma forma de punição para os agressores, pois trata-se de crime inafiançável e imprescritível”, afirmou Pereira.

A pena prevista é de três a cinco anos de prisão, conforme a Lei 7.716/89, que tipifica o crime de racismo.

“Injúria é um crime direcionado à pessoa, que difere do ponto da coletividade”, disse. Nos casos de injúria, a pena é de um a três anos detenção, podendo ser revertida, por exemplo, para a prestação de serviço comunitário.

De acordo com o advogado, é necessário estar em alerta para a necessidade do registro adequado das denúncias. “É importante que a polícia esteja atenta e aceite registrar os boletins de ocorrência. Por se tratar de crime racial não é menor que um crime de homicídio, que a polícia não sabe quem matou e investiga”, afirma.

Foto: Reprodução/Arquivo pessoal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*