«

»

jun 23 2015

GRÉCIA: O AMIGO AMERICANO

FRANCISCO SEIXAS DA COSTA

Nos processos negociais, há sempre cenas de bastidores que só o tempo acabará por tornar mais claras.

Neste braço-de-ferro entre a Grécia e os restantes membros do euro, o papel do governo americano parece ter sido importante para pressionar os diferentes parceiros a mostrarem mais flexibilidade.

Para além das suas preocupações geopolíticas, será interessante vir a conhecer um dia o que é que os EUA carrearam, em termos concretos, para todo este processo.

Adensam-se as indicações de que as movimentações europeias do secretário do Tesouro americano durante as últimas horas, quer junto do presidente do BCE quer em contactos com o PM Tsipras, somando-se às “démarches” mais políticas junto de Angela Merkel, poderão ter sido um fator determinante.

Não deixa de ser irônico que os americanos possam ter contribuído, pelos seus temores estratégicos, para aquele que pode vir a constituir-se como um importante passo positivo no reforço da zona euro.

Em tempo: resta ainda saber em que medida esta movimentação tem como principal justificação a potencial influência da Rússia no processo.

Se assim for, e porque os EUA não costumam atuar de forma tão determinada sem um real fundamento, será necessário começar a coletar dados para “desconstruir”, de forma mais “fina”, o conteúdo exato dos possíveis entendimentos entre Atenas e Moscou.

CompartilheShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>


*