«

»

nov 19 2020

Justiça Federal determina afastamento da diretoria da Aneel

Apóscrise de energia elétrica que atinge o Amapá há mais de 15 dias, a Justiça Federal determinou o afastamento provisório da diretoria da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) pelo prazo de 30 dias. A decisão também é válida para os atuais diretores do ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico).

A decisão, tomada com o intuito de preservar a apuração da responsabilidade do apagão que atinge os amapaenses, foi dada hoje (19) pelo juiz federal João Bosco Costa Soares da Silva, da 2ª Vara. O pedido, por sua vez, foi feito pelo senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP).

O senador Randolfe argumenta que relatórios do governo federal indicam que os órgãos que fiscalizam o setor elétrico sabiam da condição dos equipamentos e dos riscos de um apagão, tanto que documentos do Ministério de Minas e Energias, da ONS e da Aneel demonstram que a subestação atingida operava no limite da capacidade há dois anos.

Na decisão, o juiz diz que a interrupção no fornecimento de energia elétrica já se estende por mais de 15 dias, tendo efeitos danosos deste apagão, já considerado o maior e mais prolongado na história do país. “Diante de um pavoroso cenário de crise retratado pelo comprometimento na prestação de outros serviços essenciais como o fornecimento de água potável, serviços de comunicação, de saúde, segurança pública, dentre outros, tudo potencializado pelo avanço do contágio por coronavírus na capital e em municípios contíguos”, diz.

ADVERTISING

“Não bastasse isso, a demora na solução do problema tem repercutido sensivelmente em diversos setores da economia do Estado, como na atividade comercial desenvolvida por médios e pequenos empreendedores, ocasionando, inclusive, o desabastecimento de alguns produtos alimentícios perecíveis, diante da impossibilidade de conservá-los, com incalculáveis prejuízos patrimoniais e mesmo morais ao povo do Amapá”, afirma Silva.

O Estado do Amapá voltou a registrar um novo apagão na noite de terça-feira (17), duas semanas após a primeira ocorrência, que deixou mais de 13 cidades sem luz e, em alguns casos, também provocou queda no fornecimento de água. Moradores relatam a situação como uma zona de guerra.

A decisão do afastamento, explica o juiz, se dá a partir da gravidade dos fatos. “No meu entendimento, não será possível realizar com eficácia (a investigação sobre o apagão) caso os dirigentes da Aneel e do ONS permaneçam em suas funções, considerando o risco patente de restrição quanto ao acesso ou mesmo de extravio de documentos que possam comprometer ou elucidar a exata apuração dos fatos pelo Tribunal de Contas da União, que, aliás, já instaurou procedimento investigativo”.

Em nota, a Aneel disse que o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, vai ao Estado hoje acompanhar os trabalhos e que respeita a decisão da Justiça. “Mas ações como essa acabam gerando ruído e prejudicando os trabalhos em um momento em que todos os esforços deveriam estar concentrados no restabelecimento pleno do fornecimento de energia no Amapá”, finalizou.

Com informações de R7

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*