«

»

abr 21

NOTÍCIA GRAVÍSSIMA PARA MEDITAÇÃO

O juiz Daniel Surdi Avellar, da 2ª Vara do Tribunal do Júri de Curitiba, decidiu nesta quinta-feira (20) inocentar a médica Virgínia Soares de Souza e outras sete pessoas acusadas de antecipar a morte de pacientes que estavam internados na Unidade de Terapia Intensiva do Hospital Evangélico, na capital paranaense.

O caso veio à tona em 2013, quando a polícia prendeu Virgínia e outros funcionários da UTI, subordinados à médica.

Eles foram acusados pela morte de oito pacientes. De acordo com a denúncia, eles teriam usado técnicas médicas para que oito pacientes viessem a óbito, com o objetivo de liberar leitos na unidade.

Na decisão, Avellar considerou que as provas apresentadas pelo Ministério Público causavam dúvidas quanto a existência dos crimes apontados pelos promotores. “Uma decisão de pronúncia que se repute minimamente democrática jamais poderia se amparar em afirmações genéricas no sentido de que ‘ocorriam antecipações’ de óbito na UTI do Hospital Evangélico”, disse o juiz na decisão.

Com a decisão, os oito acusados não devem ir a Júri Popular, conforme desejava o Ministério Público. Em nota, o advogado de Virgínia, Elias Mattar Assad disse que a cliente foi injustamente presa, acusada de práticas criminosas e linchada moralmente.

O advogado também afrimou que a médica foi “demonizada nos meios de comunicação”. “Ficou provado que a médica apenas praticou atos com justificativas em literaturas médicas e objetivos de salvar vidas de pacientes críticos”, afirmou o advogado.

Procurado, o Ministério Público do Paraná informou que vai recorrer da decisão de Avellar.

CompartilheShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>


*