«

»

dez 02 2019

Nove pessoas morrem pisoteada em baile funk em Paraisópolis (SP)

A Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo atualizou o total de hospitalizados após o tumulto que causou nove mortes no baile funk em Paraisópolis, Zona Sul da capital paulista, e aumentou o número de 7 para 12 pessoas. 

As mortes na madrugada de ontem ocorreram durante uma perseguição policial com tiros dentro da festa. Segundo a polícia, dois homens atiraram contra policiais e correram para dentro do baile funk, que tinha cerca de cinco mil pessoas, o que teria dado início à perseguição e à confusão.

Moradores protestaram na comunidade — a segunda maior de São Paulo e a quinta do país, com cerca de 100 mil habitantes. A manifestação reuniu parentes e amigos dos nove mortos pisoteados durante um baile funk.

Nesta madrugada, segundo informações do jornal Hora 1, os quatro corpos que foram levados para o IML Central foram liberados, mas dois ainda permaneciam lá. Os demais corpos foram para o IML Sul.

Os moradores da comunidade fizeram uma passeata com cartazes e gritaram: “Justiça! Justiça!”. Parte deles seguiu em caminhada até a Avenida Giovani Gronchi. A manifestação foi pacífica.

A mãe de uma adolescente de 17 anos ferida com uma garrafa disse que a ação policial foi uma emboscada contra as pessoas que estavam no baile. A PM diz que criminosos provocaram.

Hoje, a Polícia Civil começa a ouvir testemunhas. Serão ouvidos frequentadores do baile, parentes de vítimas e outros policiais que ajudaram a socorrer as vítimas

De acordo com a polícia, agentes do 16º Batalhão de Polícia Militar Metropolitano (BPM/M) realizavam uma Operação Pancadão na comunidade quando foram alvo de tiros disparados por dois homens em uma motocicleta. A dupla teria fugido em direção ao baile funk ainda atirando, o que provocou tumulto entre os frequentadores do evento, que tinha cerca de 5 mil pessoas.

A jovem ferida durante a confusão descreveu o momento em que foi atingida. “Eu não sei o que aconteceu, só vi correria, e várias viaturas fecharam a gente. Minha amiga caiu, e eu abaixei pra ajudá-la”, afirmou.

“Quando me levantei, um policial me deu uma garrafada na cabeça. Os policiais falaram que era para colocar a mão na cabeça.”

Segundo a polícia, equipes da Força Tática, ao chegarem para apoiar a ação em Paraisópolis, levaram pedradas e garrafadas. Os policiais, então, teriam respondido com munições químicas para dispersão. Ainda de acordo com informações da polícia, alguém no meio da multidão disparou um tiro, e houve correria.

Durante a confusão, pessoas foram pisoteadas. Duas viaturas da PM foram depredadas. O delegado Emiliano da Silva Neto, do 89º DP, afirmou que todas as vítimas morreram pisoteadas e que ninguém foi vítima de disparos.

O governador João Doria (PSDB) lamentou as mortes e pediu “apuração rigorosa” do episódio. O Ouvidor das Polícias, Benedito Mariano, afirmou que “a PM precisa mudar protocolo”.

A diretora-executiva do Instituto Sou da Paz, Carolina Ricardo, afirmou em entrevista à GloboNews que a polícia tem de prestar contas do que ocorreu “sem medo de assumir um erro caso tenha havido”.

Com informações de G1

Foto: BBC

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*