«

»

set 23 2014

O BRASIL ESTÁ LIVRE DE MALUF

RENATO RIELLA

Depois de 60 anos de péssima política, Maluf foi reconhecido como ficha-suja e está fora para sempre da política brasileira.

Xô, Maluf! Vá roubar no inferno. “Rouba mas faz” nunca mais.

Ele acaba de perder no TSE.

Viva a Lei da Ficha Limpa!

Perdeu por 4×3.

A relatora foi a ministra Luciana Lóssio, que resistiu às pressões dos ministros mais velhos e merece parabéns.

CompartilheShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+

4 comentários

Pular para o formulário de comentário

  1. Wílon Wander Lopes

    Que maravilha o Estado democrático de Direito estar funcionando! Que maravilha o Maluf ter exercido o seu direito, que é de todos os cidadãos brasileiros, de apelar de todas as sentenças que o condenaram até agora. Só que você se esqueceu de um detalhe importante. Até que a sentença condenatória transite em julgado ou que ele desista e não recorra, ainda tem o STF. Só depois é que, de fato e de direito, Maluf será ficha suja.
    Ou seja, só a Justiça e não os palpiteiros – ou torcedores, como você parece ser, e eu também, neste caso – é que pode dizer que o Maluf – ou qualquer outro processado – é ficha suja… Então, cuidado! Ele está na raia…
    Mas, com isso, dá pra dizer: que maravilha ter lutado tanto pela Democracia, que garante ampla defesa, contraditório e presunção de inocência até o trânsito em julgado da sentença condenatória.
    Mas, iInfelizmente, Riella, não concordo que a “rouba, mas faz” tenha acabado. Tudo indica que a lamentável cultura (que dá voto) do “rouba, mas faz” vai continuar, mesmo com a Lei da Ficha Limpa e a condenação,pelo TSE, do mais emblemático político que a representa: Malut.
    A origem do sucesso deste tipo de político está no eleitor corrupto, que vende seu voto por uma camiseta, por uma promessa de emprego, por um churrasco. E corrupto também tem voto…

  2. Wílon Wander Lopes

    Confiei na sua nota e me dei mal no meu apressado comentário, conforme acima.
    Ainda bem que, mineiro, tomei cuidado e só comentei as generalidades da notícia que você postou.
    Mais uma vez mineiro, fui na fonte. E descobri que a decisão, ontem, no TSE, de fato condenou Maluf. Mas foi por 4 a 3, depois de intenso debate entre os ministros. Ou seja, a matéria não está pacificada – como dizem os juristas. Ao contrário, o tema continua polêmico… e a decisão pode ser revertida. Maluf ainda não é ficha suja!
    O resultado permite que Maluf recorre ao próprio TSE e, depois, se o TSE confirmar a sentença condenatória, Maluf ainda pode recorrer ao STF. E, conforme você bem sabe, ele tem ótimas relações, milhões de argumentos e excelentes advogados. É o Estado de Direito Democrático funcionando. É a Democracia em ação…
    Ou seja, ao contrário do que você postou, Maluf ainda não é ficha suja e nem está fora da política brasileira.
    O pior é que você, meu caro amiga Riella, com sua torcida emocional, que leva a conclusões apressada, avançou o sinal, perigosamente, e quase me induziu a erro. Olha a credibilidade, rapaz. Precisava?

  3. Riella

    Ele usará a figura do embargo no TSE, onde perderá de novo.
    E, tal como aconteceu no caso do Arruda, poderá ter sua campanha suspensa
    antes de ser julgado no Supremo.
    Como sempre, estou antecipando procedimentos que parecem óbvios.
    R.

  4. Wílon Wander Lopes

    Grato pela resposta. Isto é consideração.
    Mas você não antecipou “procedimentos que parecem óbvios”, meu bom amigo Riella.
    Você disse com todas as letras que Maluf “está fora para sempre da política brasileira.”
    E isso, caro Riella, embora você queira e eu também, pelo que Maluf significa, não é verdade.
    Ele ainda está na raia, pode recorrer, pode até ganhar – porque tem ótimas relações, milhões de argumentos, excelentes advogados e, eu tinha me esquecido, um partido político que está alinhado com a Dilma (como é o caso de alguns ministros). Esqueceu ou não sabia?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>


*