«

»

mar 27 2013

patrão de domésticas é um animal em extinção

RENATO RIELLA

Delfim Netto diz que empregada doméstica é um animal em extinção. Ele tem razão, mas muitos de nós ainda não conseguimos nos livrar da dependência. No entanto, com a aprovação de nova legislação abrangendo esse tipo de profissional, corrijo a frase de Delfim: patrão de empregada doméstica é um animal em extinção.

Coincidindo com a discussão do tema, vivi esta semana situação que exprime a perplexidade da população diante da mudança de costumes. Digo isso porque atrasei o pagamento das prestações do INSS de uma cozinheira da minha casa. Esta ficou grávida e decidiu antecipar a licença-maternidade. Como estive muito ocupado em março, deixei para os últimos dias a verificação da documentação da empregada.

De repente, descobri que havia deixado de pagar alguns meses da prestação do INSS. Rapidamente, fui à agência da 502 Sul, onde peguei senha, esperei durante mais de uma hora, até que um servidor meio “coroa”, muito cordial, me disse que este tipo de cálculo precisa ser agendado com antecedência. E qual o prazo? Lá para junho, explicou, pois há muita gente na fila.

Com firmeza, expliquei que estava com vergonha por haver atrasado as prestações e temia prejudicar a empregada, que precisará apresentar documentação ao INSS para obter a licença-maternidade. Isto é: tratava-se de uma situação dramática.

Pensativo, o servidor observou bem a minha expressão facial, acreditou nas minhas afirmações, e sentenciou: “Venha amanhã antes das 8h, e aí faço o seu cálculo”. Às 7h30 de hoje estive lá e ele realmente imprimiu os recibos para pagamento amanhã, sem falta, etc.

Sou mesmo um animal em extinção. E digo logo: não sei como calcular INSS, nem como pagar o FGTS aprovado para as empregadas domésticas, não conseguirei calcular o valor das horas extras e, se tiver de pagar mensalmente um contador para isso, terei de abater o valor no salário negociado com a empregada.

É um novo momento, uma nova cultura. O Brasil está mudando rápido demais, extinguindo culturas e hábitos com velocidade impossível de se acompanhar.

 

CompartilheShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>


*