«

»

fev 09 2015

PINK E CÉREBRO NO GDF

MARANHÃO VIEGAS

A Vejinha (Veja Brasília) expõe algo que muita gente já havia previsto: o efeito Pink e Cérebro em Brasília (festejado desenho animado da era moderna, em que dois personagens dividem a tarefa de dominar o mundo).

Um tenta executar as tarefas que o outro pensa. Nem sempre dá certo. Ou, melhor, na maioria das vezes, não dá. Se vê este efeito no novo GDF. Hélio Doyle e Rollemberg estão no eixo dessa análise.

A revista mostra com propriedade que Hélio é um trabalhador contumaz. Que tem assumido a cara do governo para as situações essenciais. Que assume a frente dos desafios mais graves. Enquanto Rodrigo visita o zoológico, joga bola em campo de terra e planta árvores em solenidades públicas.

De passagem, a Vejinha toca em episódios marcantes da vida política de Hélio. Trabalhou com Roriz, com Agnelo e com Cristovam. Este último lança um comentário ferino sobre o agora parceiro de governo:  “Prefiro não fazer comentários sobre ele”. Hélio acha explicação para o fim da relação amistosa entre os dois: “Meu trabalho começou a aparecer mais e a despertar ciúmes.”

É esse o ponto central nas entrelinhas da reportagem. Em que momento a presença de Hélio à frente do governo vai despertar mais ciúmes do que já desperta agora? E, quando isto acontecer, qual será a reação do novo governador?

As respostas, só virão com o tempo. Por enquanto, a fórmula “Pink e Cérebro” vai funcionando no GDF.

(O jornalista Maranhão Viegas expõe esse raciocínio na sua página eletrônica Observatório Brasília).

 

CompartilheShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>


*