«

»

out 08 2019

Presiente do Equador transfere sede do governo em meio a protestos

O presidente do Equador, Lenín Moreno, ordenou a evacuação do palácio presidencial e a transferência da sede do governo em Quito para Guayaquil, em razão drecrudescimento dos protestos e a chegada de milhares de manifestantes à capital. Ele ainda acusou o ex-presidente Rafael Correa de tentar um golpe de Estado no país.

Manifestantes voltaram às ruas após as Forças Armadas evacuarem o Palácio de Carondelet e transferirem o presidente para Guayaquil, na noite de ontem (7).

De lá, Moreno transmitiu um pronunciamento em rede nacional para pedir calma e tentar fazer aceno aos movimentos sociais, ao mesmo tempo em que acusou seu antecessor de promover a desestabilização do país.

“Me transferi para Guayaquil e transferi a sede do governo a esta querida cidade, de acordo com as atribuições constitucionais que me competem”, disse o presidente. “O que está acontecendo não é uma manifestação social de protesto por uma decisão do governo. Há uma manifestação política para romper a ordem democrática”, afirmou, cercado de generais em uniformes de combate e acompanhado do vice-presidente, Otto Sonneholzner.

Moreno culpou Correa, que presidiu o país entre 2007 e 2017, de estar por trás das tentativas de desestabilizar seu governo. Ele afirmou não ser coincidência que vários líderes do antigo governo de esquerda tenham viajado à Venezuela há poucos dias, segundo afirma, para conspirar juntamente com o presidente do país, Nicolás Maduro.

“O sátrapa do Maduro ativou junto a Correa seu plano de desestabilização”, acusou Moreno. “São os corruptos que sentiram os passos da Justiça os cercando para que eles respondam [por suas ações], são eles que estão por trás dessa tentativa de golpe de Estado e estão usando e instrumentalizando alguns setores indígenas, se aproveitando de sua mobilização”, sublinhou.

O presidente acusou os apoiadores de Correa de “financiarem as agressões e os saques” com o dinheiro que teriam “roubado” durante o governo esquerdista.

Ele alertou que “indivíduos pagos e organizados” participaram da mobilização dos indígenas com objetivo de promover saques e desestabilizar o país e fez um convite às comunidades.

Com informações de DW

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*