«

»

abr 25 2019

Prévia da inflação é de 0,72% em abril, a maior para o mês desde 2015

Resultado de imagem para gasolina

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), que é uma prévia da inflação oficial do país, acelerou para 0,72% em abril, pressionado principalmente pela alta dos preços de combustíveis e alimentos, segundo dados divulgados hoje (25) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

É a maior variação para um mês de abril desde 2015, quando o índice foi de 1,07%. Essa é também a taxa mais alta desde junho de 2018 (1,11%), quando o índice foi impactado pela greve dos caminhoneiros.

Pesquisa da agência Reuters com economistas estimava alta de 0,69% para o período.

No ano, o IPCA-15 acumula alta de 1,91% e, em 12 meses, o índice ficou em 4,71%, acima dos 4,18% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores e acima da meta central do governo para a inflação de 2019.

Segundo o IBGE, os preços do grupo transportes tiveram a maior variação no período (1,31%), exercendo o maior impacto sobre o IPCA-15, de 0,24 ponto percentual (p.p.). A segunda maior pressão sobre o índice foi do grupo alimentação e bebidas, com uma alta média de 0,92% em abril e impacto de 0,23 ponto percentual.

A maior pressão individual no mês foi da gasolina, que subiu 3,22%, respondendo sozinha por 0,14 p.p. do IPCA-15 de abril. Em 12 meses, a alta da gasolina chega a 3,91%.

O etanol subiu 2,74% e diesel teve alta de 1,06%. Já as passagens aéreas subiram 5,54%, embora tenham desacelerado em relação ao mês anterior, quando a alta foi de 7,54%.

Entre os alimentos, o destaque de alta ficou com o tomate (27,84%), segunda maior contribuição individual no índice do mês, com 0,07 ponto percentual. Em 12 meses, a alta do tomate chega a 45,91%.

]Outros preços que pesaram na inflação de abril foram cebola (13,44%), batata-inglesa (25,59%), frutas (3,36%), carnes (1,55%) e alimentação no domicílio (1,43%).

Veja as variações dos 9 grupos pesquisados: Alimentação e bebidas: 0,92%; Habitação: 0,36%; Artigos de residência: 0,41%; Vestuário: 0,57%; Transportes: 1,31%; Saúde e cuidados pessoais: 1,13%; Despesas pessoais: 0,12%; Educação: 0,06% e Comunicação: -0,05%

No que diz respeito aos índices regionais, 8 das 11 áreas pesquisadas tiveram aceleração no nível de preços de março para abril. O menor índice foi registrado em Goiânia (-0,01%) – única área com deflação. Já o maior resultado foi na região metropolitana de Porto Alegre (1,27%). Em São Paulo e no Rio de Janeiro, houve alta de 0,72% e 0,75%, respectivamente.

A meta central de inflação deste ano é de 4,25%, e o intervalo de tolerância do sistema de metas varia de 2,75% a 5,75%. A meta é fixada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). Para alcançá-la, o Banco Central eleva ou reduz a taxa básica de juros da economia (Selic), que estacionada há quase um ano na mínima histórica de 6,5%.

Com informações do G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*