«

»

mar 22 2016

SERRA PODE TRAIR O PMDB E IR PARA O PSD DE KASSAB

Em meio a toda essa incerteza política brasileira, um nome estratégico circula nas sombras, gerando noticiário controvertido.

Trata-se do senador tucano José Serra, que já foi candidato a presidente da República e mantém base eleitoral em São Paulo.

Em 20 de junho do ano passado, antecipei em primeira mão que o PMDB estava preparando Serra para ser candidato a presidente da República, o que levaria este senador a abandonar seu partido histórico, o PSDB.

Ao longo dos meses, a notícia foi confirmada pelos principais analistas políticos. No entanto, o quadro está mudando e Serra passa a ser fator de discussão à margem do debate sobre o impeachment.

Na verdade, posso antecipar que o PMDB tende a perder este possível candidato. Isto é: o PSD, de Gilberto Kassab (ainda ministro das Cidades), está trabalhando para roubar o tucano José Serra, o que pode ser grande surpresa política nos próximos meses.

Vinha sendo dito que Serra seria homem forte do provável governo de Michel Temer, depois que o impeachment da presidente Dilma Rousseff passasse no Congresso.

Vimos que, ontem, ele se encontrou com o vice-presidente da República, Michel Temer, e depois disso houve desencontros públicos entre os dois.

Temer foi obrigado a negar, por meio de nota, que esteja discutindo cenários políticos futuros com aliados. Temer também disse que “não tem porta-voz” e que, se precisar anunciar algo publicamente, o fará sem auxílio de terceiros.

Isso porque, em entrevista publicada pelo Estadão, José Serra falou sobre um possível governo de Michel Temer e disse que, caso o vice assuma a Presidência da República, deverá formar um governo de união e de reconstrução nacional.

Na verdade, o que mais chocou foi ver Serra dizer que Temer assumiria o compromisso de não disputar a reeleição em 2018.

Por trás de tudo está a ligação de Serra com Kassab, do PSB, mas também a questão da eleição de prefeito em São Paulo.

Serra não aceitará apoiar a peemedebista Marta Suplicy, pois tem compromisso de origem com Andrea Matarazzo, que era do PSDB e está migrando para o PSD, onde poderá se candidato à Prefeitura.

Pelo visto, o impeachment não é o único assunto dos políticos. Por trás, há outros interesses, como a eleição municipal e a formação de um futuro governo Temer. (RENATO RIELLA)

CompartilheShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>


*