«

»

nov 17

Serviços têm queda inesperada em setembro

Serviços

O setor de serviços do Brasil contraiu inesperadamente em setembro e fechou o terceiro trimestre com perdas, destacando a dificuldade de retomada mesmo diante da inflação baixa e da melhora do mercado de trabalho.

O volume de serviços recuou 0,3 por cento em setembro em relação a agosto, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta sexta-feira, A expectativa em pesquisa da Reuters com especialistas era de avanço de 0,3 por cento.

 O resultado marcou a terceira contração mensal e assim o setor terminou o terceiro trimestre com recuo de 0,6 por cento sobre o período anterior, devolvendo o ganho de 0,2 por cento registrado no segundo trimestre.

“A reação dos serviços depende de um ritmo mais forte da economia, de uma demanda maior da indústria, do comércio e dos governos (regionais), que enfrentam dificuldades fiscais”, explicou o coordenador da pesquisa no IBGE, Roberto Saldanha.

Na comparação com setembro de 2016, o varejo recuou 3,2 por cento no volume, bem pior do que a expectativa de recuo de 2,4 por cento na pesquisa Reuters. A série histórica do IBGE foi iniciada em 2012.

Os dados das categorias analisadas mostram que a queda de 1,8 por cento no serviços de informação e comunicação teve importante peso para o resultado mensal, uma vez que vem sendo afetado pela redução da demanda, principalmente da indústria, segundo Saldanha.

Também recuaram os Serviços profissionais, administrativos e complementares (-0,2 por cento) e Outros Serviços (-0,1 por cento).

Somente Serviços prestados às famílias (+5,9 por cento) e Transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio (+0,3 por cento) subiram no mês.

A inflação e os juros baixos no país aliados à melhora do emprego incentivam o consumo e vêm ajudando a recuperação econômica, mais ainda de maneira irregular e gradual.

Em outubro, a confiança do setor de serviços medida pela Fundação Getulio Vargas (FGV) mostrou melhora pela quarta vez seguida, chegando ao nível mais alto em três anos.

CompartilheShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>


*