«

»

maio 14 2019

Setor de serviços cai 0,7% em março, terceiro recuo seguido

O volume do setor de serviços caiu 0,7% em março frente a fevereiro, segundo divulgou hoje (14) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Trata-se da terceira queda mensal seguida do indicador, confirmando a perda de ritmo da economia neste início de ano e reforçando a expectativa de uma possível retração do PIB (Produto Interno Bruto) no 1º trimestre.

Na comparação com março do ano passado, a queda foi de 2,3%, a mais intensa desde maio de 2018 (-3,8%), interrompendo uma sequência de 7 taxas positivas nessa base de comparação.

O resultado é o pior que o esperado. As expectativas em pesquisa da Reuters eram de recuos de 0,1% na comparação mensal e de 0,8% na base anual.

Com o resultado de março, “o setor acumula queda de 1,7% nos três primeiros meses do ano e elimina a alta de 0,9% entre outubro e dezembro de 2018”, destacou o IBGE na divulgação.

O gerente da Pesquisa Mensal de serviços, do IBGE, Rodrigo Lobo, destacou que o resultado de março foi a queda mais intensa desde maio de 2018, quando houve a greve dos caminhoneiros.

A receita nominal de serviços, por sua vez, caiu 0,6% em março, frente ao mês imediatamente anterior, mas aumentou 1,1% em relação a um ano antes. No ano, houve expansão de 4,3% e, em 12 meses, elevação de 3,5%.

O resultado do setor de serviços, que representa cerca de 70% do PIB do país, reforça a leitura feita por diversos analistas de que a economia deve ter registrado retração no 1º trimestre.

O Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) avaliou nesta terça-feira que os indicadores apontam para um desempenho da economia brasileira “aquém do esperado” no primeiro trimestre, com “probabilidade relevante” de queda do PIB no período.

O resultado oficial do PIB do 1º trimestre será divulgado pelo IBGE no próximo dia 30.

“O poder público está sem fôlego para investir e o setor privado não está compensando e preenchendo essa lacuna. A nova aposta para uma abertura de portas aos investimentos e para a atividade econômica é a aprovação da reforma da Previdência, mas quem garante que isso vai realmente acontecer?”, afirmou à Reuters o gerente da pesquisa.

Com informações do G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*