«

»

jun 26 2014

SUÁREZ, CRAQUE DO URUGUAI, COMETEU UM CRIME ESTÉTICO

RENATO RIELLA

Luiz Suarez, o fantástico atacante do Uruguai, está suspenso por nove jogos pela Fifa e, consequentemente, fora da Copa.

Numa competição transmitida para bilhões de pessoas em todo o mundo, ele cometeu a infração mais grave: um crime estético.

Nos estádios, vemos cotoveladas, chutes desleais, soladas agressivas e até tapas – mas tudo isso é do futebol. Ações duras podem gerar expulsões e até suspensões, mas são típicas do jogo.

No entanto, nenhuma falta com bola tem o componente negativo contido numa mordida.

Morder um adversário suado, além de ser nojento, é antiético, antiestético.

Ao morder um adversário no ombro, um jogador está praticando um ato pensado, premeditado. Não tem o improviso, às vezes inocente, de um pontapé por trás ou de um “carrinho assassino”, que são punidos com penas mais leves.

A Copa do Mundo leva para todo o mundo, mais do que a cultura do futebol, a cultura do fairplay, da disputa dura, mas com regras.

Por isso, é destacado o amor às pátrias, o repúdio ao racismo, o respeito às diferenças religiosas e o congraçamento de torcidas tão diferenciadas.

Luiz Suárez deve levar em conta que milhões de crianças em todo o mundo, depois de vê-lo na TV, podem estar tentando morder professores, colegas em sala de aula, irmãos maiores ou menores e, também, adversários em campos de futebol.

Todos aqueles que, por acaso, tenham aplaudido a “fome” do Suárez sabem agora que esse crime estético, horrível, tem um preço: o banimento do mordedor. Xô, matador!

CompartilheShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>


*