«

»

jun 26 2018

Suspeito no caso Rodoanel, ex-secretário de Alckmin tem prisão prorrogada

Justiça prorroga prisão de ex-secretário de Alckmin

A Justiça Federal prorrogou por cinco dias a prisão do ex-presidente da Dersa e ex-secretário estadual no governo de Geraldo Alckmin (PSDB-SP) Laurence Casagrande Lourenço(foto), que foi detido na Operação Pedra no Caminho sob a suspeita de envolvimento em fraudes e desvios nas obras do trecho norte do Rodoanel.

A decisão foi proferida na noite de ontem (25) também em desfavor de outros cinco ex-funcionários e atuais servidores da Dersa: Pedro da Silva, Benedito Aparecido Trida, Pedro Paulo Dantas do Amaral Campos, Adriano Trassi e Edison Mineiro Ferreira dos Santos. A medida ainda manteve detido Valdir dos Santos Paula, indicado pela Procuradoria como operador financeiro do suposto esquema criminoso.

O prazo das prisões temporárias dos investigados terminava nesta segunda, mas o Ministério Público e a Polícia Federal pediram a prorrogação das detenções por mais cinco dias.

Segundo as autoridades, a medida é necessária para que sejam ouvidos todos os investigados e testemunhas indicadas por eles. A Polícia Federal citou a necessidade de colher novos depoimentos de duas ex-secretárias de Lourenço na Dersa que afirmaram que ele determinou em algumas ocasiões a trituração de documentos.

Segundo a PF e a Procuradoria, a estatal paulista Dersa assinou na gestão de Geraldo Alckmin aditivos irregulares nas obras do Rodoanel que levaram a prejuízos de mais de R$ 600 milhões.

De acordo com as investigações, foram beneficiadas pelos aditivos as construtoras OAS e Mendes Júnior, que já são investigadas na Operação Lava Jato.

O advogado de Lourenço, Eduardo Carnelós, disse receber com indignação a medida de prorrogação da prisão.

“Essa decisão aumenta a convicção de que estou diante de uma das maiores injustiças em toda minha carreira”, disse o criminalista sobre a situação de seu cliente.

Fonte: Folhapress

Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado

1 comentário

  1. Marcia

    Alckmin não está envolvido nisso, sua integridade será comprovada e ele será o nosso próximo presidente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*