«

»

maio 14 2019

Tributo sobre bebidas açucaradas nos EUA reduz as vendas

Um imposto criado em 2017 pela  Filadélfia(EUA) sobre bebidas açucaradas e adoçadas reduziu as vendas em 38%, de acordo com um dos primeiros estudos para avaliar os efeitos dos novos tributos.

Entre 2016 e 2017, as vendas médias caíram à metade em volume, segundo este estudo realizado com base em dados de caixas de comércios e publicado hoje (14) no Jornal da Academia Americana de Medicina (Jama, na sigla em inglês).

Desde 1º de janeiro de 2017, a Filadélfia cobra tributo de 1,5 centavo por onça líquida – o equivalente a cerca de 50 centavos por litro – sobre todos as bebidas doces ou “light”.

As lojas transmitiram o imposto total ou parcialmente para o consumidor, o que levou o preço da garrafa média aumentou em 24 centavos nos mercados e mais de 50 nas lojas.

Os economistas “podem ficar tranquilos sobre sua teoria”, garante em tom de brincadeira à AFP Christina Roberto, professora de política de saúde da Universidade da Pensilvânia.

“Tributar as bebidas açucaradas é uma das estratégias mais eficazes para reduzir o consumo, e acho que esta política de saúde pública é óbvia”, declarou quando questionada sobre o assunto.

Os consumidores tentaram compensar o aumento de preço fazendo compras nas lojas de fronteira da Filadélfia, onde houve um aumento nas vendas.

Levando em conta esse efeito, a queda nas vendas é estimada em 38% de um ano para o outro.

Para garantir que a queda seja devida ao imposto, os pesquisadores compararam números da Filadélfia a Baltimore, sem impostos especiais: lá, as vendas permaneceram estáveis.

Os dados confirmam um dos fundamentos teóricos da economia: se o preço de um produto aumenta, as pessoas compram menos.

Com informações de AFP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*