«

»

jan 11 2018

Viajar de avião virou um sofrimento

 

RENATO RIELLA

Sei que estamos comemorando o aparente fim dos desastres aéreos, mas viajar de avião virou uma tragédia – noutros sentidos.

Hoje de manhã, peguei um Boeing da Gol em direção a Salvador e fiquei cansado.

Cheguei no Aeroporto de Brasília mais de uma hora antes e encarei uma fila única com cerca de cem pessoas.

De tempos em tempos, uma moça bonita, vestida de vermelho, gritava o nome de um vôo e tirava às pressas alguns passageiros da fila para serem atendidos em cima da hora.

De repente, o inusitado. Na primeira fileira da enorme fila, um homem de 40 anos, mulato, elegante, de voz firme, bateu palmas para chamar a atenção e falou para as cem pessoas já estressadas:

-“Bom-Dia, pessoa. Vim para Brasília, pra trabalhar como caseiro, com minha família. Estamos hoje tentando voltar para a nossa cidade, mas está me faltando R$ 200,00 para as passagens. Peço a contribuição de vocês”.

Ele entrou na fila de passageiros atrasados e esperou chegar bem na frente para fazer o apelo. Ficou ali, paradão, enquanto uns davam cinco reais, dez reais. Quando juntou alguma grana, jogou para nós um obrigado sonoro e foi-se.

Não vi a família do cara. Não sei se comprou as passagens. Não sei se é um novo golpe.

Portanto, se acontecer de novo, podem chamar a polícia. Por hoje, foi apenas chocante esta cena meio forte numa fila cheia de tensão.

Sei que os aviões não caem mais, mas ficou desagradável viajar por via aérea.

CompartilheShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>


*