jan 23

SAMSUNG ESCLARECE EXPLOSÕES DE SEU SMARTPHONE NOTE 7

ETHEVALDO SIQUEIRA

Segundo informa a Newsletter da MIT Technology Review de hoje, 23-01-2017, a Samsung anunciou oficialmente que foram, realmente, problemas de bateria que causaram o fogo e as explosões de seus smartphones Galaxy Note 7.

No ano passado, esse modelo de smartphone foi recolhido porque muitos deles, realmente, pegaram fogo. Entre os dispositivos de substituição também foram encontrados alguns que também superaqueciam e se inflamavam.

A Samsung reexaminou toda a produção do telefone e recolheu cada um dos dispositivos vendidos.

A investigação oficial da empresa, que envolveu 700 funcionários e a inspeção de 200 mil telefones e 30 mil baterias, revelou uma série de problemas.

As baterias da primeira leva eram de tamanho irregular. Quando as maiores se prendiam num canto, podia ocorrer o superaquecimento.

As substituições resolveram esse problema, mas foram construídas às pressas e tiveram problemas de soldagem defeituosa.

O problema é que todas as baterias haviam sido projetadas para usar um separador muito fino e perigoso, de dimensões muito estreitas entre os dois eletrodos, o que poderia facilmente danificá-las, causando o curto-circuito e a ignição.

Com a reputação manchada e bilhões de dólares em prejuízos pelos problemas, é provável que esse erro da Samsung não se repita novamente.

http://us11.campaign-archive2.com/…

 

jan 23

PAPA FALA FORTE CONTRA POPULISMO LOGO APÓS POSSE DE TRUMP

Em meio à onda populista que se alastra pela Europa e pelos Estados Unidos, o papa Francisco afirma, em entrevista ao jornal espanhol El País, que um dos grandes perigos da atualidade é procurar “salvadores”, assim como ocorreu com Adolf Hitler na década de 30, informa a agência italiana Ansa.

A declaração foi dada durante longa entrevista ao jornal espanhol El País e provocou reações imediatas na Itália.

A fala papal coincide com a posse de Ronald Trump como presidente dos Estados Unidos, parecendo espelhar esse perfil aparentemente populista e nacionalista.

Perguntado sobre a ausência de lideranças sólidas em função da crise e do aumento da desigualdade, o pontífice disse que o exemplo mais típico do populismo europeu é a Alemanha.

“Destroçada, a Alemanha busca se levantar, busca sua identidade, busca um líder, alguém que devolva sua identidade, e há um rapazinho que se chama Adolf Hitler e diz: ‘eu posso, eu posso’. E a Alemanha inteira vota em Hitler. Hitler não roubou o poder, foi votado por seu povo e depois destruiu seu povo. Esse é o perigo. Em momentos de crise, o discernimento não funciona”, afirma.

O papa acrescenta que a sociedade busca um “salvador” que a defenda com “muros, alambrados, com o que seja, de outros povos” que possam “tirar sua identidade”.

“Isso é muito grave. Por isso sempre digo: dialoguem entre vocês. O caso da Alemanha em 1933 é típico: um povo que estava em crise, que buscou sua identidade, e apareceu esse líder carismático que prometeu lhes dar uma identidade. E sabemos o que aconteceu”, diz o papa Francisco.

O chefe da Igreja Católica também ressalta que todos os países têm o direito de controlar suas fronteiras, principalmente os ameaçados pelo terrorismo, mas que nenhum pode privar seus cidadãos do diálogo com os vizinhos.

jan 23

RACIONAMENTO DE ÁGUA COMEÇA A DAR RESULTADO POSITIVO

A Caesb informa que o primeiro ciclo do rodízio de água nas cidades do Distrito Federal abastecidas pelo Sistema Descoberto, finalizado no sábado (21), apresentou resultado melhor do que o esperado.

A redução da vazão de captação, aquela que a Caesb retira para tratar e distribuir água aos moradores dessa região, registrou queda de 14% em relação aos números apresentados em dezembro.

Em janeiro, a Caesb está retirando uma média semanal de 3.800 L/s, contra uma retirada em média de 4.400 L/s durante o mês de dezembro.

A Caesb lembra que a captação registrada no final de 2016, de 4.400 L/s, já representava uma redução de 14,7%, em relação ao volume captado no mês de setembro, que foi de 5.100 L/s, no auge do período da seca e de forte calor.

A redução de 14% nesta primeira semana de rodízio supera a meta estabelecida pela Caesb de 10%, que previa uma diminuição da vazão de captação de 4.400 L/s para cerca de 4.000 L/s.

A Companhia atribui essa conquista, primeiramente, à população que está contribuindo, participando e fazendo uso racional da água de forma exemplar.

 

jan 23

TRUMP, O CÃO EM FORMA DE GENTE

MAGNO MARTINS (Do Blog do Magno)

O Brasil está mergulhado na maior crise política, econômica e ética da sua história. Está, igualmente, abalado com o “acidente” que tirou a vida do ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato. Mas o que o brasileiro, seja de onde for, deve ficar mesmo ligado e preocupadíssimo é com o futuro do mundo nas mãos de um maluco, Donald Trump, que assumiu o comando dos Estados Unidos e partir de hoje governará. Trump, que parece satânico, pode provocar a maior mudança em décadas das relações entre Washington e a América Latina.

Trump afirma que sua primeira medida será deportar mais de três milhões de imigrantes que não estão legalizados. Muçulmanos serão banidos e não haverá tolerância com quem não está devidamente documentado. Medo e esperança andam lado a lado com o povo americano, uma nação dividida entre o radical e o passional. A agressividade dele é alarmante e temerosa, porque está em suas mãos o maior arsenal nuclear do planeta.

Há muita expectativa em relação aos seus primeiros atos. Na campanha, Trump fez questão de salientar medidas extremas para combater a criminalidade, o terrorismo, a alta dos juros e o desemprego do povo americano. E isso deixou o mundo de ‘cabelo em pé’, porque são medidas radicais que podem gerar conflitos sérios por toda a parte. A mais temida é a de ampliar consideravelmente o porte de armas de fogo aos civis, visando à defesa pessoal.

Ele já declarou que vai manter as sanções dos EUA contra a Rússia “ao menos por um tempo”. Contudo, durante uma entrevista, sugeriu que as sanções internacionais podem ser extintas se forem firmados “bons acordos” com a Rússia, incluindo a redução de armas nucleares. As relações entre os EUA e a Rússia ficaram bem mais tensas durante o governo Obama, em especial por conta de diferenças sobre Ucrânia, Síria e acusações de ataques cibernéticos.

As políticas comerciais de Donald Trump podem significar a maior mudança na forma como os EUA vêm fazendo negócios há décadas com o resto do mundo. Ele ameaçou se livrar de uma série de acordos de livre comércio, incluindo o Tratado Norte-Americano de Livre Comércio (Nafta, na sigla em inglês) entre os EUA, Canadá e México, por atribuir a eles a perda de empregos existentes. Sugeriu ainda a retirada dos EUA da Organização Mundial de Comércio (OMC).

Desde que venceu as eleições, Trump tem focado em ameaçar empresas, especialmente montadoras de automóveis, dizendo que vai cobrar tarifa de 35% sobre bens manufaturados no México. O objetivo por trás da sua política comercial mais protecionista é a criação de empregos, fechar o déficit comercial e obter “bons acordos” para os norte-americanos. A China, especialmente, está na mira de Trump, mas não apenas por razões comerciais.

Há ainda incógnitas sobre o que Trump pretende fazer em relação à normalização das relações dos EUA com Cuba, retomada pelo presidente Barack Obama, ou como Washington vai enfrentar a política de drogas na região. Ainda é preciso esperar para ver como os governos latino-americanos vão reagir às ações e anúncios de Trump, embora vários analistas antecipem que, pelo menos inicialmente, prevalecerá desconfiança sobre a atmosfera de cooperação já estabelecida na região.

O acordo nuclear com o Irã é outra grande incógnita. Para o ex-presidente Barak Obama, o acordo que suspendeu as sanções contra o Irã em troca de garantias de não proliferação de armas nucleares era um “entendimento histórico”. Mas, para Donald Trump, que faz ecoar preocupações dos republicanos, o acordo foi “o pior negócio que já vi ser negociado”. Ele declarou que desmantelá-lo será sua “prioridade número um”. “Quem mostra suas cartas antes de jogar?”, afirmou em uma entrevista ao jornal britânico The Times quando questionado sobre o tema.

A revisão do acordo teria um impacto enorme no Oriente Médio. O Irã é um ator chave no conflito sírio e um rival histórico da Arábia Saudita e de Israel, por exemplo. E o ministro das Relações Exteriores do Irã, Javad Zarif, já pediu a Trump que mantenha o acordo nuclear. Ele sugeriu que os EUA deveriam respeitar o acordo, apoiado por várias potências mundiais. O líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, foi mais direto. “Se quebrarem o acordo, vamos queimá-lo”.

REAÇÃO DE SAIA– No dia seguinte à posse de Trump, milhares de mulheres promoveram um grande ato nos Estados Unidos em defesa de direitos das mulheres e das minorias, em reação a comentários vistos como misóginos feitos pelo novo presidente americano e a medidas contra o direito ao aborto, prometidas durante a campanha. Como acreditar num presidente que abre a boca para afirmar: “Quando se é uma celebridade, as mulheres deixam você fazer qualquer coisa, como pegá-las pela xoxota”.

jan 23

REFLEXÕES SOBRE O FUTURO PRÓXIMO. LEIA E SE IMPRESSIONE

Em 1998, a Kodak tinha 170 mil funcionários e vendia 85% do papel fotográfico utilizado no mundo. Em apenas 3 anos, o seu modelo de negócio foi extinto e a empresa desapareceu.

O mesmo acontecerá com muitos negócios e indústrias nos próximos 10 anos e a maioria das pessoas nem vai se aperceber disso. As mudanças serão causadas pelo surgimento de novas tecnologias.

Conforme exposto na Singularity University Germany Summit, em abril deste ano, o futuro nos reserva surpresas além da imaginação.

A taxa de inovação é cada vez mais acelerada e as futuras transformações serão muito mais rápidas que as ocorridas no passado. Novos softwares vão impactar a maioria dos negócios e nenhuma área de atividade estará a salvo das mudanças que virão.

Algumas delas já estão acontecendo e sinalizam o que teremos pela frente. O UBER é apenas uma ferramenta de software e não possui um carro sequer, no entanto, constitui hoje a maior empresa de táxis do mundo. A Airbnb é o maior grupo hoteleiro do planeta, sem deter a propriedade de uma única unidade de hospedagem.

Nos EUA, jovens advogados não conseguem emprego. A plataforma tecnológica IBM Watson oferece aconselhamento jurídico básico em poucos segundos, com precisão maior que a obtida por profissionais da área.

Haverá 90% menos advogados no futuro e apenas os especialistas sobreviverão. Watson também orienta diagnósticos de câncer, com eficiência maior que a de enfermeiros humanos.

Em 10 anos, a impressora 3D de menor custo reduziu o preço de US$18.000 para US$400 e tornou-se 100 vezes mais rápida. Todas as grandes empresas de calçados já começaram a imprimir sapatos em 3D.

Até 2027, 10% de tudo o que for produzido será impresso em 3D. Nos próximos 20 anos, 70% dos empregos atuais vão desaparecer.

Em 2018, os primeiros carros autônomos estarão no mercado. Por volta de 2020, a indústria automobilística começará a ser desmobilizada porque as pessoas não necessitarão mais de carros próprios. Um aplicativo fará um veículo sem motorista busca-lo onde você estiver para leva-lo ao seu destino. Você não precisará estacionar, pagará apenas pela distância percorrida e poderá fazer outras tarefas durante o deslocamento.

As cidades serão muito diferentes, com 90% menos carros, e os estacionamentos serão transformados em parques. O mercado imobiliário também será afetado, pois, se as pessoas puderem trabalhar enquanto se deslocam, será possível viver em bairros mais distantes, melhores e mais baratos.

O número de acidentes será reduzido de 1/100 mil km para 1/10 milhões de km, salvando um milhão de vidas por ano, em todo o mundo. Com o prêmio 100 vezes menor, o negócio de seguro de carro será varrido do mercado.

Os fabricantes que insistirem na produção convencional de automóveis irão à falência, enquanto as empresas de tecnologia (Tesla, Apple, Google) estarão construindo computadores sobre rodas. Os carros elétricos vão dominar o mercado na próxima década.

A eletricidade vai se tornar incrivelmente barata e limpa. O preço da energia solar vai cair tanto que as empresas de carvão começarão a abandonar o mercado ao longo dos próximos 10 anos. No ano passado, o mundo já instalou mais energia solar do que à base de combustíveis fósseis. Com energia elétrica a baixo custo, a dessalinização tornará possível a obtenção de água abundante e barata.

No contexto deste futuro imaginário, os veículos serão movidos por eletricidade e a energia elétrica será produzida a partir de fontes não fósseis. A demanda por petróleo e gás natural cairá dramaticamente e será direcionada para fertilizantes, fármacos e produtos petroquímicos. Os países do Golfo serão os únicos fornecedores de petróleo no mercado mundial. Neste cenário ameaçador, as empresas de O&G que não se verticalizarem simplesmente desaparecerão.

No Brasil, o modelo de negócio desenhado para a Petrobras caminha no sentido oposto. Abrindo mão das atividades que agregam valor ao petróleo e abandonando a produção de energia verde, a Petrobras que restar não terá a mínima chance de sobrevivência futura. A conferir.

(Publicado na revista Brasil e Energia Petróleo e Gás, edição de dez/2016).

Reflita sobre o seu presente e o seu futuro. Está preparado para mudanças tão radicais e abruptas?

“Nada é permanente, exceto a mudança”.
(Heráclito: 535 a.C – 475 a.C)

jan 23

CONHEÇA AS ORIENTAÇÕES SOBRE VACINAÇÃO CONTRA FEBRE AMARELA

Quem já tomou duas vacinas contra a febre amarela, ao longo da vida, não precisa mais ser imunizado contra a doença.

O esquema para crianças é uma dose aos 9 meses de vida e um reforço aos quatro anos de idade.

Para quem nunca tomou e já está na fase adulta, é necessário apenas uma dose e, após 10 anos, fazer o reforço.

A população deve evitar repetir a aplicação de forma desnecessária, o que pode ser prejudicial ao organismo.

A recomendação de duas aplicações foi feita pelo Ministério da Saúde, após estudos clínicos da Organização Mundial da Saúde (OMS), que concluíram que as pessoas que receberam duas doses já estão imunizadas.

Em caso de dúvida, o cidadão pode ser orientado por um profissional de saúde nas salas de vacina espalhadas do Distrito Federal.

“Antes não havia evidências científicas suficientes para suspender os reforços a cada dez anos. Em 2015, seguindo recomendação da OMS, o Ministério da Saúde modificou o esquema para duas doses”, explicou o subsecretário de Vigilância à Saúde, Tiago Coelho.

A vacina, que é fabricada com o vírus vivo da doença atenuado, estimula a produção de anticorpos específicos contra a febre amarela. Esses anticorpos passam a circular no organismo cerca de 10 dias após a aplicação da vacina.

A população deve seguir a recomendação e administrar as doses no intervalo de tempo recomendado, uma vez que quando não são respeitados os prazos, o excesso de doses pode aumentar a chance de adquirir a doença na forma vacinal.

De acordo com o subsecretário, gestantes, mulheres que estão amamentando crianças de até seis meses de idade, indivíduos com imunossupressão e pessoas com mais de 60 anos só recebem a vacina mediante avaliação médica criteriosa.

 

DOENÇA – A febre amarela é uma doença infecciosa febril aguda, imunoprevenível, de curta duração e gravidade variável, causada por um arbovírus que é transmitido por artrópodes. As taxas de letalidade da doença variam de 5% a 50%.

No continente americano, a patologia apresenta dois ciclos de transmissão: o urbano e o silvestre. No ciclo de transmissão silvestre, o macaco é o principal hospedeiro do vírus e os vetores são principalmente espécies silvestres de mosquitos dos gêneros Haemagogus e Sabethes. Já no ciclo urbano, o ser humano é o principal hospedeiro e o mosquito Aedes aegypti é o principal vetor envolvido no ciclo de transmissão.

 

SINTOMAS – O quadro clínico típico tem evolução bifásica com início abrupto de febre elevada e pulso lento em relação à temperatura (sinal de Faget), calafrios, cefaleia, mialgia, prostração, náuseas/vômitos, durando cerca de três dias, após os quais se observa remissão da febre e melhora dos sintomas, o que pode durar horas ou, no máximo, dois dias.

O caso pode evoluir para cura ou para a forma grave (período de intoxicação), caracterizada pelo retorno da febre, diarreia e reaparecimento de vômitos, com aspecto em borra de café, icterícia, instalação de insuficiência hepática e renal, podendo haver também o surgimento de manifestações hemorrágicas.

 

jan 23

PREVISTA INFLAÇÃO DE 4,71% PARA ESTE ANO

O mercado financeiro projeta que a inflação oficial, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), terminará 2017 em 4,71%.

Para a Selic, taxa básica de juros da economia, a previsão caiu de 9,75% para 9,5% ao ano.

As estimativas foram divulgadas hoje (23) no boletim Focus, pesquisa semanal do Banco Central (BC) com instituições financeiras.

A projeção para a inflação aproxima-se do centro da meta fixada pelo Conselho Monetário Nacional, que é 4,5% com margem de dois pontos percentuais para cima ou para baixo.

No caso da Selic, o mercado continua confiante de que a taxa básica de juros cairá para um dígito ainda este ano.

No início do mês, as instituições financeiras previam Selic de 10,25% ao ano ao fim de 2017. Os bancos passaram a demonstrar mais otimismo após a primeira reunião do ano do Comitê de Política Monetária (Copom) do BC.

PREVISTO CRESCIMENTO DO PIB DE 1,50%

A projeção das instituições financeiras para o crescimento da economia (Produto Interno Bruto – PIB – a soma de todas as riquezas produzidas pelo país) este ano permanece em 0,50%. (AGÊNCIA BRASIL)

 

jan 23

PROSSEGUE RACIONAMENTO DE ÁGUA NO DF SEM PREVISÃO DE GRANDES CHUVAS

O racionamento de água no Distrito Federal (DF), promovido pela Caesb, atinge hoje (23) as regiões administrativas de Ceilândia Oeste, Riacho Fundo 2 e Recanto das Emas.

A previsão do tempo indica chuvas ocasionais até sábado. Portanto, talvez não caia quantidade de água suficiente para normalizar o abascimento.

A interrupção do fornecimento de água em parte do DF, em sistema de rodízio, está entrando em sua segunda semana. A medida visa a assegurar a capacidade hídrica para o próximo período de seca na cidade.

O nível da Barragem do Descoberto, que abastece a região do rodízio, chegou abaixo de 20% em novembro passado. Além disso, o índice de chuvas em dezembro e janeiro ficou abaixo do previsto. O esquema semanal de racionamento adotado pela Caesb prevê a interrupção do fornecimento em um dia, dois dias de estabilização e três de fornecimento normal de água.

Na fase de estabilização, a água retorna ao consumidor gradativamente, para evitar riscos de rompimento da tubulação. As áreas afetadas são Águas Claras, Candangolândia, Ceilândia, Gama, Guará, Núcleo Bandeirante, Park Way, Recanto das Emas, Riacho Fundo 1 e 2, Santa Maria, Samambaia, Taguatinga e Vicente Pires.

Além da interrupção do fornecimento de água, moradores do DF terão a pressão da água reduzida a partir de 30 de janeiro, na região abastecida pelo reservatório de Santa Maria. De acordo com a Caesb, esse reservatório está com nível de água em torno de 40%. Portanto, não haverá rodízio no fornecimento de água no Plano Piloto, Cruzeiro, Sudoeste, Octogonal, Lago Sul, Lago Norte, Paranoá, Varjão, Itapoã e Jardim Botânico.

O governo do Distrito Federal também vai cobrar tarifa de contingência sobre a conta de consumo, estabelecer restrição de horários para captação de água por caminhões-pipa e divulgar orientações para estabelecimentos como lava-jatos.

 

jan 21

RODRIGO MAIA QUER ESTUPRAR A CONSTITUIÇÃO

A imprensa aceita qualquer merda sem molho.

Esta tentativa de reeleger Rodrigo Maia como presidente da Câmara Federal é um estupro.

A Constituição, feita pelos políticos, é clara quando exige que, dentro do mandato, este cargo seja alternado.

É a forma de dar chance a outros e de reduzir a influência do Executivo no Legislativo.

Rodrigo Maia diz que foi eleito para mandato-tampão, com a cassação de Eduardo Cunha – mas foi eleito!

Quase todos os partido estão apoiando seu nome, mas o Judiciário começa a vetar a reeleição do Maia.

Na Câmara Legislativa do DF, diversos presidentes que passaram tentaram este golpe. Mas precisariam de 16 votos (dois terços) para mudar a nossa Constituição – a Lei Orgânica.

Recentemente, a deputada Celina Leão tentou este golpe, mas foi fulminada antes por escândalos.

Assim, não creio que vingue a candidatura de Rodrigo Maia, mas evito dizer que poderá ser eleito. Há muita discussão pela frente. (RENATO RIELLA)

jan 21

REVISTAS SEMANAIS FOGEM DA DISCUSSÃO SOBRE O SUSPEITO “ACIDENTE”

As capas das três grandes revistas que circulam no fim de semana são de uma frouxidão total em relação ao desastre que vitimou o ministro Teori.

Recebi da empresa Capitare, no seu ótimo clipping diário, essas publicações e fiquei estarrecido: as revistas abafam o caso de forma descarada nos destaques de capa (ainda não vi o conteúdo interno).

A Veja publica uma cadeira vazia do Supremo Tribunal e especula sobre os rumos do Lava-Jato. Nem levemente exprime a desconfiança dos brasileiros diante do “acidente”.

A Isto É (que vergonha!) abre quase toda a capa para a discussão sobre a descriminalização das drogas. Lá em cima, uma discreta chamada sobre os rumos da Lava-Jato. Meu Deus, que falta de sentimento jornalístico!

E a revista Época, que exprime as  Organizações Globo, faz uma capa ridícula. Publica uma foto comum do Teori, na página toda, destacando em título: “Obrigado, Vossa Excelência”. Tenta agradecer pelo trabalho que o desastre aéreo interrompeu.

Estão abafando alguma coisa muito feia!

RENATO RIELLA)

 

jan 21

SÓ AS REDES SOCIAIS EXPRIMEM A DESCONFIANÇA DOS BRASILEIROS DIANTE DO CASO TEORI

Mais de 80% dos brasileiros acreditam que o ministro Teori foi apagado pelos bandidos implicados no Lava-Jato.

As redes sociais estão inundadas por boatos indicando isso ou aquilo, para ampliar essas suspeitas.

Nas ruas, os brasileiros se encontram e falam que Sérgio Moro será o próximo.

No mundo, a opinião pública acredita que houve mesmo um crime na queda do avião, para prejudicar o julgamento dos implicados nos grandes roubos estatais.

Essas e outras indicações criam um clima de suspeita internacional, mas as diversas áreas públicas que têm ligação com o fato fazem de conta que não vêem, não leem, nem escutam.

O presidente Michel Temer, naquela sua fala gelada à Nação, devia ter informado que determinou ao Ministério da Defesa e à Aeronáutica que assumissem a investigação, em prazo urgente.

A presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Carmen Lúcia, também deveria ter criado um grupo de altíssimo nível para acompanhar as apurações.

A própria imprensa, representada pelos grandes jornais e pelas emissoras de TV, fez de conta que não sentiu o impacto das especulações nas redes sociais.

Assim, os grandes veículos de comunicação se distanciam da sociedade brasileira e são engolidos cada vez mais por Facebook, Whatsapp e outras redes comandadas pelos cidadãos.

Neste momento, a maioria dos brasileiros imagina que o caso Teori está sendo abafado, escondido, e que nunca saberemos de fato o que aconteceu. Nas redes sociais, podemos dizer que há algo podre no reino.

E, a propósito, o que aconteceu?   (RENATO RIELLA)

jan 21

FUTURO DA LAVA-JATO É INCÓGNITA

MAGNO MARTINS (Do Blog do Magno)

A morte do ministro Teori Zavascki, num acidente aéreo em Paraty, deixou todo mundo apreensivo. Na condição de relator, ninguém conhecia de operação Lava Jato mais do que ele, que estava prestes a tomar decisões que levariam os primeiros políticos com foro privilegiado à prisão.

Teori morre no momento em que entrava na fase final de análise dos cerca de 800 depoimentos prestados por 77 executivos da Odebrecht, inclusive Marcelo Odebrecht, preso em Curitiba, no maior e mais importante acordo de delação premiada feito na operação.

Por ser a maior empreiteira envolvida no esquema de corrupção, com ramificações no exterior, esses testemunhos são vitais para esclarecer o esquema e sua vinculação com petistas e peemedebistas.

Principalmente, diga-se de passagem, com possíveis estilhaços sobre o oposicionista PSDB, o PP e outros partidos.

O caso interessa inclusive a países latino-americanos em que a Odebrecht recebeu ajuda de Lula para ganhar concorrências, também lubrificadas por propinas. Acusações de corrupção contra Lula devem ganhar forma com essas delações.

O mesmo ocorre na questão do financiamento ilegal das campanhas políticas de Dilma Rousseff.

É por tudo isso — e mais o que se perde sem a capacidade do ministro de tomar decisões sempre sustentadas em cortantes argumentos técnicos, num processo de profundas implicações político-eleitorais como este — que a Lava-Jato se torna a grande perdedora com a morte de Teori Zavascki.

É prioritário, portanto, na substituição de Teori na relatoria do caso, que a mesma linha de trabalho do ministro seja preservada. Por isso, de imediato, precisa ser afastada pela presidente da Corte, ministra Cármen Lúcia, e seus pares a possibilidade de o novo relator ser escolhido por sorteio.

Não se pode jogar na roleta da sorte ou do azar assunto tão importante, com sérias implicações para o País.

 

CAIXA PRETA– O gravador de voz do avião que caiu e matou o ministro Teori Zavascki, recuperado ontem pela FAB, pode ser fundamental para esclarecer o que provocou a queda.

O equipamento registra os diálogos do piloto na cabine do avião, seja com outros passageiros ou com o controle de tráfego aéreo.

O aparelho passará por perícia em Brasília para que os investigadores descubram se ele estava ligado e registrou conversas durante o voo.

A análise será em um laboratório na sede do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa).

jan 21

E COM TRUMP, O QUE VIRÁ?

JOSÉ LAUDELINO SARDÁ

A posse de Trump na presidência dos EUA é um episódio fatal ou faz parte de uma teoria da conspiração da extrema-direita norte-americana? Deixemos de imaginar e sonhar.

É necessário deixar o exótico empresário e político assumir a presidência para saber o que fará.

O que se sabe é que ele joga com todas as cartas e que a presidência da república norte-americana poderá se transformar em um cassino. E já há um candidato à mesa: Vladimir Putin.

Afinal, o que é esquerda ou direita no mundo que derrubou todos os mitos ideológicos?

O que há de verdadeiro é o jogo de interesses. As lutas de cada nação e de forças ideológicas cedem espaço a fantasias do mundo cibernético, em que ninguém mais tem tempo para refletir e pensar numa sociedade mais humana.

Afinal, mais de 65% do capital que circula no mundo está nas mãos de menos de 3 mil pessoas. Não há mais ideologia capaz de conter a insensatez dos poderosos capitalistas.

A sorte é que grande parte do capital está aplicada em tecnologia, que permite ao povo interagir e pressionar os poderes.

Contudo, a incerteza sobre o futuro da humanidade predomina, pelo menos até 2025.

jan 21

MISTÉRIOS SOBRE O CASO TEORI

MAGNO MARTINS (DO BLOG DO MAGNO)

O que estou apurando deste maldito voo do ministro Teori Zavaschi é de ficar sem cabelo na venta.

Vou aguardar, entretanto, o conteúdo das revistas semanais amanhã.

jan 16

PREVISTA INFLAÇÃO DE 4,8% EM 2017

O boletim Focus desta segunda-feira, divulgado pelo Banco Central, estima que a inflação pelo IPCA cairá mais, encerrando 2017 em 4,8%.

Na semana passada, as instituições financeiras previam 4,81%.

O mercado financeiro mantém a previsão de que a inflação chegara ao centro da meta em 2018, ficando em 4,5%.

A projeção de instituições financeiras para o crescimento da economia (Produto Interno Bruto – PIB – a soma de todas as riquezas produzidas pelo país) este ano permanece em 0,50%.

jan 16

PREVISTA TAXA DE JUROS DE 9,75% ATÉ DEZEMBRO

A taxa básica de juros do Brasil, a Selic, deverá estar na faixa dos 9,75% em dezembro deste ano. A previsão de juros em um dígito foi feita pelos principais analistas da economia brasileira, consultados semanalmente pelo Banco Central.

Atualmente, a taxa de juros anual está em 13% ao ano, considerada a mais alta do mundo.

Vamos ver se, nos próximos meses, o Banco Central reduz mesmo essa taxa de juros, que possibilita ao Brasil economizar muitos bilhões na administração da dívida pública do país.

jan 11

EM MEIO À CRISE, GDF DECIDE FAZER RAIO X COMPLETO DO TRANSPORTE COLETIVO EM BRASÍLIA

 

O Governo do DF, diante da crise gerada pelo aumento da passagem dos ônibus e do Metrô, decidiu que o sistema de transporte público coletivo brasiliense passará por uma avaliação criteriosa, para tirar todas as dúvidas.

Foi publicada no Diário Oficial do DF a dispensa de licitação para contratar a instituição que fará o processo de avaliação, com duração de seis meses.

Na verdade, o povo quer saber: por que o ônibus de Brasília é o mais caro do Brasil?

Para verificar isso, serão estudados os contratos e a atuação das cinco empresas ganhadoras da licitação, feita em 2011, que dividiu o atendimento do transporte coletivo em bacias.

“Isso vai nos fazer entender como está funcionando o sistema”, resume o secretário adjunto de Mobilidade, Dênis de Moura Soares.

Os relatórios técnicos avaliarão, entre outros itens, o fluxo de caixa, os investimentos e a relação de custos e despesas das concessionárias.

Com a avaliação independente do setor, será possível, de acordo com o secretário adjunto, ter precisão sobre a tarifa necessária para custear o sistema.

No entanto, ele pode ter uma surpresa amanhã (quinta), quando quase certamente a Câmara Legislativa vai suspender o aumento de passagens autorizado no dia 1º de janeiro.

“Hoje, o que nós temos de disponibilidade orçamentária é insuficiente, se mantivermos o valor original”, explica. “Se, com essa avaliação, identificarmos que foi pago a mais, vai ser feito o equilíbrio do contrato” – disse o secretário.

Outro ponto será a análise do mecanismo de bilhetagem automática para checar dados, como transparência e precisão das informações.

Nesse sentido, será feito estudo de campo para a comparação da demanda real com a que é registrada atualmente. “Conseguiremos ver exatamente as falhas existentes para corrigi-las”, diz Soares.

O processo, que teve o auxílio da Controladoria-Geral do DF para desenvolvimento do termo de referência, avaliará também a qualidade do serviço prestado à população. A instituição contratada será a Fundação Getulio Vargas, e o investimento será de R$ 4,8 milhões.

As cinco empresas vencedoras da licitação de 2011 são a Piracicabana, a Pioneira, a Marechal, a Expresso São José e a Urbi. Todos os contratos têm duração de dez anos.

 

jan 10

ARTIGO: A REFORMA TRABALHISTA DO GOVERNO TEMER

ALMIR PAZZIANOTTO PINTO 

Os consultores do presidente Michel Temer devem compreender que a insegurança nas relações de trabalho não deve ser atribuída à escassez, mas ao excesso de legislação.

Desde maio de 1943, quando a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) entrou em vigor, outra coisa não se fez senão aprofundar a intervenção do Estado no convívio entre patrões e empregados.

Com 922 artigos, a CLT nasceu exagerada. Corresponde ao período em que países como México, Bolívia, Venezuela adotaram Código do Trabalho e a Organização Internacional do Trabalho (OIT) cogitou da aprovação de Código Internacional do Trabalho.

Tratava-se de “pura arte de construção no vácuo”, como escreveu Oliveira Vianna, ao tecer críticas a juristas e legisladores habituados a tomar como fatos o que não passava de teses acadêmicas.

Para o Brasil rural, com reduzida população urbana e pequeno número de operários, a CLT trouxe inovações de qualidade. Mas esbanjou defeitos decorrentes da prolixidade, como a data da fotografia colada na Carteira Profissional, a obrigatória participação da gorjeta na remuneração, a redução da hora de trabalho noturno a 52 minutos e 30 segundos, a fixação do espaço mínimo de 80 centímetros entre ferramentas ou 1,30m entre partes móveis de máquinas.

Em longo período de 70 anos, uma das poucas leis destinadas a atender às necessidades do País foi a que instituiu o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), cuja história é contada no livro O Governo Castelo Branco, de Luís Vianna Filho.

Surgiu para permitir a compra, venda e fusões de estatais “condenadas à lenta agonia em virtude do ônus trabalhista”, decorrente da presença de trabalhadores estáveis. Era o que sucedia com a Fábrica Nacional de Motores, “cujos déficits eram intoleráveis, sem trazer contribuição especial para a economia, pois caminhões poderiam ser produzidos pela iniciativa privada”.

Questões essenciais, como validade do recibo de quitação, ou sistemas de controle de jornada, permanecem sem solução e abarrotam Varas e Tribunais do Trabalho com reclamações geradoras de insuportável passivo.

Duas medidas urgem ser promovidas pelo governo do presidente Michel Temer, como pontos de partida de boa reforma: 1) aprovação do projeto de lei sobre terceirização, inexplicavelmente retido no Senado; e 2) o reconhecimento das convenções e acordos coletivos de trabalho, em obediência ao determinado pelo art. 7º, XXVI, da Constituição.

Quanto à terceirização, abstenho-me de argumentar. O assunto foi objeto de amplas discussões. O projeto aprovado na Câmara dos Deputados é bom. Poderia ser melhor, mas resulta de longas discussões entre as partes interessadas.

No tocante à validade das negociações coletivas, não há como tergiversar. Atendido ao disciplinado no Título VI da CLT, onde estão os requisitos para a celebração de convenções e acordos coletivos, ao Ministério do Trabalho resta apenas proceder ao registro e arquivamento (CLT, art. 614).

A negociação será válida, qualquer que tenha sido o objeto e conteúdo. É o previsto na Convenção nº 194 da Organização Internacional do Trabalho, promulgada pelo presidente Itamar Franco mediante do Decreto nº 1.206, de 29/9/1994.

Ordena o art. 1º: “A Convenção nº 154, da Organização Internacional do Trabalho, sobre o incentivo à Negociação Coletiva, concluída em Genebra, em 19 de junho de 1981, apensa por cópia a este decreto, deverá ser cumprida tão inteiramente como nela se contém”.
Com as deferências devidas ao ilustre Ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, a sugestão de reforma trabalhista encaminhada ao presidente Michel Temer no final do ano peca pelo excesso, e não por escassez.

Envereda por terrenos acidentados ao propor, por exemplo, alterações na Lei nº 6.019/74, que dispõe sobre o trabalho temporário, e ao regulamentar o art. 8º da Constituição, que prevê a existência de representantes dos empregados no local de trabalho.
Sobre contrato de trabalho temporário cabe lembrar que a Lei nº 6.019 é modelo de diploma legal claro, sucinto, objetivo, embora ocasionalmente prejudicado por portarias do Ministério do Trabalho e Emprego.

Trata-se de matéria tranquila e sedimentada, cuja única controvérsia foi recentemente criada pela Justiça do Trabalho ao estender, indevidamente, à prestadora de serviços temporários o benefício da estabilidade da empregada gestante, prevista pelo art. 10, I, b, do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias (ADCT). Não houvesse tal excesso de inventividade, continuaria pacificada a esfera da prestação de serviços transitórios.

Quanto à representação dos empregados nas empresas, o art. 11 da Constituição dispõe satisfatoriamente acerca da matéria. Reza o dispositivo: “Nas empresas com mais de duzentos empregados, é assegurada a eleição de um representante destes com a finalidade exclusiva de promover-lhes o entendimento direto com os empregadores”.

O artigo omite a necessidade de regulamentação. Trata-se de disposição autoaplicável que trata de assunto a ser equacionado pelos interessados.
A concessão de estabilidade ao representante interno, oferecendo-lhe garantia não prevista no dispositivo constitucional, atrairá desgastante resistência patronal. Foi o que se deu com o Projeto de Relações Sindicais, do Fórum Nacional do Trabalho, anexo à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 369/05, fulminados ambos no berço por empregadores e empregados.

O desemprego de mais de 12 milhões recomenda ao governo não se arriscar por terreno acidentado. Apoio a proposta divulgada pelo Exmo. Ministro Ronaldo Nogueira, a quem louvo pela coragem. Não posso, contudo, fazê-lo incondicionalmente.
……………………….
Almir Pazzianotto Pinto advogado; foi Ministro do Trabalho e presidente do Tribunal Superior do Trabalho.

jan 09

MERCADO PREVÊ INFLAÇÃO DE APENAS 4,81% ESTE ANO

Os especialistas do mercado financeiro, consultados toda semana pelo Banco Central, estão otimistas e esperam que a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) fique em 4,81% este ano.

A projeção está no boletim Focus, pesquisa semanal do Banco Central (BC) feita com instituições financeiras e divulgada sempre às segundas-feiras.

Na semana passada, a previsão para o IPCA era de 4,87% (melhorou!).

A expectativa é de que a inflação de 2017 se situe bem abaixo da projetada para 2016, cuja estimativa passou de 6,38% para 6,35%, entre a primeira semana de janeiro e esta semana.

Para a Selic, taxa básica de juros da economia, a previsão do mercado foi mantida em 10,25% ao ano. As instituições financeiras, portanto, apostam na continuidade da trajetória de redução dos juros.

Diante da recessão econômica e da melhora na inflação, o BC tem sinalizado que pode intensificar o corte da taxa básica. Nas duas últimas decisões, o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC cortou a Selic em 0,25 ponto percentual. Atualmente, a taxa está em 13,75% ao ano.

A próxima reunião do Copom começa amanhã (10) e a decisão em relação à Selic será anunciada na terça (11).

A projeção de instituições financeiras para o crescimento da economia (Produto Interno Bruto – PIB – a soma de todas as riquezas produzidas pelo país) este ano permanece em 0,50%.

jan 09

ROLLEMBERG DESRESPEITA O SETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO DF

O setor de Tecnologia da Informação e Telecomunicação (TIC) do Distrito Federal repudiou o anúncio de alterações na estrutura do Parque Tecnológico de Brasília. Nos últimos dias, os empresários do ramo se reuniram para debater o impacto da inclusão da Biotecnologia no escopo de atuação das companhias que ocuparão o Parque, bem como os incentivos para a indústria local.

Os resultados dessas discussões serão anunciados pelo presidente do Sindicato das Indústrias da Informação do Distrito Federal (SINFOR/DF), Ricardo Caldas, nesta segunda-feira (9), às 15h.

As alterações estão previstas no Projeto de Lei Complementar nº 76/16, que será sancionado pelo governador Rodrigo Rollemberg, em cerimônia no Palácio do Buriti, no dia 10 de janeiro.

Serviço: Coletiva de Imprensa sobre as alterações contidas no PLC 76/16
Local: Sede do Sinfor/DF
Endereço: SCN Qd. 01 Bloco E Sala 1512 Ed. Central Park – Asa Norte
Horário: 15h
Mais informações: (61) 3234-4166 / 3233-1439

Posts mais antigos «