mar 29

O MILAGRE DO TITE

Imagine se alguém assumisse o Twitter e, em pouco tempo, passasse o Facebook e todas as outras redes sociais.

Impossível!

Seria um milagre.

Mas foi isso que Tite fez na Seleção Brasileira.

Um verdadeiro milagre.

Graças a Deus.

O Brasil  merece esta compensação. (RENATO RIELLA)

 

 

mar 28

ROLLEMBERG MUDA A EQUIPE. COMO SE DIZ: PIOR NÃO FICA

O governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, anunciou mudanças no comando de três secretarias – o que pode gerar algum avanço, pois o quadro anterior era péssimo.

As alterações afetam as pastas de Justiça e Cidadania, de Economia e Desenvolvimento Sustentável e da Segurança Pública e da Paz Social.

Com experiência no setor, Antônio Valdir Oliveira Filho, que deixará a Superintendência do Sebrae-DF, assume a pasta de Economia e Desenvolvimento Sustentável.

O atual titular da secretaria, Arthur Bernardes, sairá para comandar a de Justiça e Cidadania, em substituição a Marcelo Lourenço Coelho de Lima.

A da Segurança Pública e da Paz Social ficará a cargo do delegado federal Edval de Oliveira Novaes Júnior.

Ex-subsecretário de Comando e Controle da Secretaria de Segurança Pública do Rio de Janeiro, Novaes substituirá a secretária Márcia de Alencar. Esta secretária foi uma péssima opção de Rollemberg e deixará lembranças ruins na cidade.

Na Secretaria de Justiça e Cidadania, os esforços serão para dar mais agilidade ao atendimento nas unidades do Na Hora, segundo o governador. Está precisando, pois o Na Hora caiu de qualidade no governo Rollemberg.

 

mar 27

JOVENS EMPRESÁRIOS DO DF RECRIAM A SUA ASSOCIAÇÃO

 

Um movimento importante para Brasília está ressurgindo, com a volta de atividades da Associação dos Jovens Empresários (AJE-DF), desativada desde 2015.

O pessoal na faixa até 30 anos reúne-se nessa entidade há duas décadas, aprendendo a fazer negócios.

Há a participação dos sucessores das grandes empresas, que passam a conviver com empresários jovens da cidade, ampliando a oportunidade de negócios para todos.

Nesta sexta (31), assume a nova diretoria que vai reinstalar a AJE-DF, tendo como presidente Gislayne Mendoza, dona da Clínica Mendoza (instalada no Gilberto Salomão), e diversos diretores de outras empresas.

Na década de 90, fui diretor-executivo da Fecomércio-DF e incentivei muito a criação do Clube dos Jovens Empresários, anos depois transformado em Associação.

Na época, os líderes eram Humberto Ribeiro, Paulo Moura, Gilberto Lima, Wagner Sarkis e outros, que hoje ocupam posições de destaque em ambientes empresariais de maior porte.

Mesmo não podendo ser chamados mais de “jovens empresários” todos esses e muitos outros estão unidos no ressurgimento da AJE-DF.

A posse da diretoria, na sexta-feira, será no auditório do Kubitschek Plaza, com apoio do GDF, das federações empresariais e de muitas outras áreas da cidade.

mar 27

TITE PODE BATER TODOS OS RECORDES

Alguns comentários sobre o jogo da Seleção Brasileira contra o Paraguai, amanhã (terça) de noite, no estádio corintiano (SP).

1. O jogo será às 22h, depois da novela da Globo, que massacra o povo (a gente!) com este horário horrível.

2. Será a oitava partida oficial (nona, com um amistoso) de vitória do técnico Tite – se a Seleção vencer.

3. Basta o empate para garantir a classificação do Brasil para a Copa do Mundo de 2018, que será na Rússia de Putin.

4. O Paraguai bate muito nos adversários. Temo por Neymar.

5. Estou ansioso para ver mais um espetáculo. Mais um jogão!

6. A Seleção Brasileira é hoje o item mais eficiente da realidade do nosso país, onde tudo está funcionando mal.

7. Por fim, se perder, quase todos vão dizer: este Tite é um blefe. A vida é assim…

8. Por fim (mesmo), se o Brasil vencer, vão dizer que a nossa Seleção já ganhou a Copa de véspera. Menas, menas, menas… (RENATO RIELLA)

mar 22

SERÁ QUE VAI SOBRAR ALGUM POLÍTICO EM BRASÍLIA?

Dos cinco deputados distritais complicados na Operação Dracon quatro são meus amigos.

Lamento que tenham comprometido o futuro político, em meio a tantos ruídos. E, agora, em meio a problemas judiciais graves.

Na verdade, dezenas de políticos que apoiei, orientei e acreditei estão bombardeados por escândalos.

Não deixa de ser uma perda de patrimônio para mim, que vivo de relacionamento público em Brasília.

É uma frustração. O que posso fazer?

Vou investir intensamente em novos valores, na esperança
de que sejam mais cuidadosos com a própria imagem.

Não abandonarei os amigos antigos, claro, que podem se recuperar, mas digo a eles, daqui do Face, que deram bandeira. Quase pularam da torre por quase nada.

Vejam o meu exemplo…já passei por todas as tempestades, mas nunca fui flagrado em gravações, mensagens erradas, reuniões perigosas, nem denúncias (abertas ou anônimas).

A vigilância é necessária. Em muitos casos, se estivermos de peito aberto, podemos ser vítimas de armadilhas.

Depois que o escândalo explode, não dá para ter certeza de nada. O inocente fica com a maior cara de culpado…

Pensando bem, além de tudo, esse pessoal da Câmara Legislativa foi mal assessorado, naufragando no auge da carreira. Alguns podiam chegar até no Buriti…

Será que Brasília terá uma nova geração de políticos mais competentes?
(RENATO RIELLA)

mar 21

POLÍTICOS HORRÍVEIS DEIXARAM ACABAR A LAGOA DE ABAETÉ

Tive muita vergonha da Bahia agora, quando fui levado pelo meu irmão Humberto para ver a Lagoa de Abaeté, que virou uma ruína, um monturo, um abandono. Um nojo!

O prefeito de Salvador, ACM Neto, o Netinho, fica ainda mais diminutivo quando a gente atribui essa culpa a ele.
Dorival Caymmi, que certamente está escalado em ótima posição nas esferas celestes, deve estar furioso.

Abaeté era o lugar mais romântico do mundo, onde os casais apaixonados iam sempre, não para transar (havia o Jardim dos Namorados para isso), mas para ver a Lua em contraste com as copas dos coqueiros.

Cheguei a fazer inesquecíveis quadros de nanquim com a paisagem, onde se destacavam a Lua cheia e os coqueiros.

Em Abaeté, o vento vindo do Oceano Atlântico tinha o gostinho salgado do mar e agitava os cabelos das meninas mais impactantes.

As dunas, que cercam o ambiente, eram brancas na noite mais fechada, brilhando como diamante.

A luz da Lua na água escura da Lagoa produzia reflexos de amolecer os corações de ferro.

Havia acarajé e sorvete. A gente tomava batidas de limão, maracujá e framboesa, de humilhar os melhores fabricantes de uísque escocês legítimo. As melhores batidas do mundo nos tornavam mais emotivos. As mocinhas pensavam que era refresco…

Constato que os miseráveis da política baiana deixaram acabar um patrimônio espiritual da Terra de Todos os Santos.

Na verdade, a área é muito mais do que a Lagoa de Abaeté imortalizada pelo meu amigo Caymmi.

Existe lá um mirante fantástico, de onde a gente vê a orla marítima. Mas essa construção, muito antiga, foi coberta pelo mato, que domina muitos outros pontos daquele setor. Antes, o espaço todo era um verdadeiro parque para adultos e crianças (durante o dia).

Sei que o Brasil é um país autodestrutivo, mas a Bahia não, por amor de Deus!

Quem deixou morrer Abaeté rasgou a certidão de nascimento de baiano. Os orixás e o eterno Senhor do Bonfim estão vendo tudo.

Não digam que não avisei! (RENATO RIELLA)

mar 17

MAIS UMA VEZ VOCÊ SERÁ GARFADO. AGORA É A LISTA FECHADA NAS ELEIÇÕES… MEU DEUS, SOCORRO!

Uma grande ameaça contra todos os brasileiros está evoluindo na Câmara Federal e no Senado: é a “lista fechada” para eleição de deputados federais e senadores.

Essa aberração obriga o eleitor a votar apenas no partido, sem poder escolher o candidato preferido. Você não elege mais ninguém, nunca!

No caso da Câmara Federal, por exemplo, o partido registraria uma lista de canditatos. Depois da votação, quando se soubesse quantos deputados esse partido teria direito a eleger, os primeiros da lista seriam os escolhidos.

Essa proposta tem apenas um objetivo: permitir que políticos desmoralizados pelos escândalos possam ser eleitos sem precisar impor seus nomes sujos ao eleitorado.

Para eles é muito importante, porque isso pode retardar suas prisões. Se eleitos, continuarão sendo julgados pelo Supremo Tribunal Federal, onde os processos na maioria das vezes ficam extintos sem condenações.

Esses políticos, se forem para o voto direito, provavelmente terão votação ridícula. Pela lista fechada, nem precisarão fazer campanha de rua, onde correm risco de apedrejamento.

Essa “novidade” da lista fechada precisa ser aprovada por Câmara e Senado até o fim de setembro deste ano. E ainda precisará ser sancionada pelo presidente Michel Temer. A lei precisa estar plenamente aprovada um ano antes das eleições de 2018.

O povo – nós – está dormindo enquanto se processa um verdadeiro golpe no Congresso Nacional.

O atual processo eleitoral, no caso dos senadores, é aceitável. Hoje, a gente vota diretamente no candidato ao Senado, que pode ser eleito se for o mais votado.

No caso dos deputados federais, já é péssimo desde já, pois a gente vota num candidato e esses votos vão para o partido, divididos entre diversos nomes. Assim, alguns acabam eleitos mesmo tendo poucos votos, graças à carona dos votos de alguns nomes famosos, como Tiririca. Isso é chamado de voto proporcional.

A “lista fechada” consegue ser mais indecente do que qualquer coisa.

Teremos de reagir violentamente contra isso, mas como? Na verdade, o povo talvez não tenha tempo de entender esse golpe. Quando percebeu, blau-blau!

Da minha parte, faço meu esforço, escrevendo essas linhas no Face, onde felizmente sou lido por muita gente inteligente.

Oi, pessoal, vamos acordar? Já são 8h da manhã. (RENATO RIELLA)

mar 13

ARTIGO: SAÍDA À FRANCESA NO BRASIL

RICARDO CALDAS

Há muito tempo as empresas brasileiras têm se manifestado a respeito das péssimas condições para empreender no país. Os tributos, o descaso, o desrespeito, a incompreensão que sofrem os empresários no Brasil nunca foram tão levados a sério como agora.

O motivo é que uma multinacional francesa endossou o discurso e ameaçou levar seus negócios daqui.

O alerta feito pela Fnac nas últimas semanas preocupou não só a mão de obra empregada pela empresa, mas todos os empreendedores do ramo de Tecnologia da Informação.

Apesar de negar mensagens que circularam nas redes, o CEO da companhia europeia no país, Arthur Negri, admitiu dificuldade para continuar os negócios no Brasil. Segundo o presidente, será necessário encontrar um sócio ou acionista que ajude nos aspectos financeiros.

A extorsão da iniciativa privada por meio da carga tributária elevadíssima chegou ao limite. Não é de hoje que tentamos abrir o mercado e inserir o país no ranking de competitividade internacional, mas a resposta que obtemos é sempre a mesma: o Brasil é um país muito duro, muito difícil, o pior para se fazer negócios.

Os empreendedores estrangeiros não conseguem acompanhar a dinâmica da tributação. Semana passada, ao conversar com empresários de outros países, três, de diferentes nacionalidades (inglesa, espanhola e israelense), confessaram esta percepção que têm, sobre fazer negócios com o Brasil.

São taxações nacionais, estaduais e locais. Impostos sobre serviços e produtos que também são cobrados do consumidor. Impostos que incidem sobre impostos. Os preços são abusivos, desnecessários, inexplicáveis – apesar da moeda fraca. Não conseguimos competir dessa forma!

A saída da Fnac do país ainda não é certa, mas a possibilidade de enfrentar mais essa debandada deveria ser analisada com parcimônia pelo Governo Federal.

São companhias áreas, instituições bancárias, concessionárias de transporte coletivo, montadoras de automóveis e lojas de departamento… todas ameaçam ou confirmam pouco a pouco que deixarão de operar no país.

Além da perda com impostos, a Indústria local não será capaz de absorver a mão de obra dispensada. Na Indústria da Informação, temos dados de startups que conseguiram empregar mais de 9 mil pessoas apenas no Distrito Federal e mais de 300 mil no país. Porém, as grandes empresas precisaram crescer nesses anos difíceis de crise. Muitas enxugaram substancialmente o quadro de funcionários.

Os dados ainda não causaram impacto suficiente para alterar as estatísticas de crescimento do setor. No entanto, uma retirada em massa das empresas internacionais do país terá exatamente este impacto.

Se esse capital estrangeiro é retirado do Brasil, nós, empresas nacionais, perderemos, seja na econômia, seja na política, pois já é comprovado que o Governo não dá o devido valor à produção nacional.

Na mesma linha, o mercado global deixará de ter pretensão de entrar ou permanecer num país onde a iniciativa privada é tratada com tamanho desrespeito e falta de pudor nas cobranças.

A imagem comercial do Brasil no exterior não nos permite o desfrute de piorar a situação dos empresários. O movimento deveria ser oposto. Estamos expulsando nosso bote salva-vidas.

Temos um imenso potencial na Indústria local, mas esse desenvolvimento só foi possível graças às alianças e parcerias com a expertise estrangeira. Não somos um setor que compete entre si a ponto de ignorar a relevância da sinergia. Somos complementares.

Queremos que a Fnac fique e queremos que o mundo traga para o País o melhor que tiver em TI. Só assim seremos realmente reconhecidos como merecemos. Só assim sairemos do buraco para o qual fomos empurrados. Mas o sinal amarelo está aceso!

Ricardo Caldas é presidente do Sindicato das Indústrias da Informação do Distrito Federal (Sinfor-DF)

mar 13

CAESB ANUNCIA ÁGUA DE BANANAL PARA AINDA ESTE ANO

Março está decepcionando em matéria de chuvas e o Governo do DF tenta passar a imagem de que encontrará solução para a grave falta de água no segundo semestre deste ano.

Fala-se em captar água do Lago Paranoá e até mesmo buscar a água da Barragem de Corumbá IV, em Goiás. São esperanças talvez distantes de solução.

Agora o GDF acena com a conclusão das obras do subsistema Bananal, prevista para ainda este ano.

As intervenções da primeira grande obra de captação de água desde a Bacia do Piripipau, há 16 anos, tiveram início em novembro de 2016.

O novo subsistema vai ser integrado ao Santa Maria-Torto e reforçar o abastecimento de água em 11 regiões administrativas.

Já foram concluídas as fundações da elevatória que vai direcionar para as adutoras de água bruta do sistema Santa Maria-Torto.

A construção da estrutura da sala de bombas e operação teve início e os blocos e as cintas da subestação foram concretados.

A obra vai incluir captação de água e bombeamento para a Estação de Tratamento de Água Brasília.

Com investimento de R$ 20 milhões, recursos provenientes do Banco do Brasil, a captação e adução do Bananal vai ter capacidade para vazão média de 726 litros por segundo e beneficiará cerca de 170 mil habitantes.

A variação deve ir de 500 litros por segundo em setembro até o máximo de 750 litros por segundo de novembro 2017 a maio de 2018.

As regiões administrativas abastecidas pelo Sistema Santa Maria-Torto são Cruzeiro, Itapoã, Jardim Botânico, Lago Norte, Lago Sul, Paranoá, Plano Piloto, Setor Complementar de Indústria e Abastecimento (Scia)/Estrutural, Setor de Indústria e Abastecimento (SIA), Sudoeste/Octogonal e Varjão.

Outra obra em curso para dar mais tranquilidade ao abastecimento de Brasília é a construção de sistema de captação e distribuição de água na Barragem de Corumbá IV, próximo a Luziânia (GO), que conta com investimentos do DF, de Goiás e do governo federal. A previsão é que fique pronto em 2018. A água captada nele servirá a brasilienses e goianos.

mar 13

INFLAÇÃO CAI E PODE CHEGAR A 4,19% ESTE ANO

A previsão da inflação para 2017 só faz cair.

O mercado financeiro reduziu esta projeção mais uma vez. A estimativa para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) passou de 4,36% para 4,19%, de acordo com o boletim Focus, uma publicação elaborada todas as semanas, pelo Banco Central (BC), e divulgada às segundas-feiras.

A projeção para a inflação este ano está abaixo do centro da meta, que é 4,5%.

Para 2018, a estimativa não foi alterada – segue em 4,5%.

A projeção de instituições financeiras para o crescimento da economia (Produto Interno Bruto – PIB – a soma de todas as riquezas produzidas pelo país) este ano foi ajustada para 0,48%.

Para o próximo ano, a estimativa passou para 2,40%.

Para as instituições financeiras, a taxa oficial de juros Selic encerrará 2017 em 9% ao ano.

Para o final de 2018, a expectativa passou de 9% para 8,75% ao ano.

Atualmente, a Selic está em 12,25% ao ano.

mar 10

ORGIA SALARIAL DO GDF PODE CAUSAR INJUSTIÇAS. MAS QUEM TEM CERTEZA DE ALGO NESTE GOVERNO?

Um técnico de alta confiança me garantiu que na CEB não há orgia salarial. Digamos que acreditei, pela confiabilidade da pessoa.

Mas falta transparência ao governo.

Esta questão dos salários absurdos está sendo tratada de forma incompetente pelo governo do DF.

Por exemplo: saiu com foto nas redes sociais a notícia da servidora da Caesb que ganharia R$ 94 mil.

Tudo indica que foi um contracheque só, com férias ou algo assim.

Mas por que ela mesmo não se defendeu?

Por que o GDF e a Caesb mantiveram privacidade sobre esta informação, deixando prevalecer a mensagem escandalosa?

Saiu até uma porrada geral na servidora, que aparece em foto recebendo medalha do governador Rollemberg. Verdadeiro linchamento digital, de dar pena!

Com esta exposição, daqui a pouco ela e dirigentes de empresas estatais estarão sendo apedrejados em restaurantes ou shoppings.

Já fui de governo e saí inteiro pela transparência que a gente impunha a tudo.

Não se pode deixar boato prosperar.

No caso, é um boato recheado de verdades e alimentado por grande revolta que domina a população, diante das sucessivas crises.

O governador Rollemberg, como já disse muitas vezes, é a nossa última esperança, depois de tantas aberrações que vivemos em Brasília.

Mas por que se mantém distante da sociedade ?

Por que desafia quase todos os grupos organizados, como se todo mundo fosse bandido?

Por que se situa numa torre, cercado de pessoas que têm pouquíssima expressão social em Brasília?

A população não conhece ninguém no GDF, nem mesmo para falar mal. Pode ser uma estratégia… (RENATO RIELLA)

mar 10

SANDRA FARAJ SE SAI MAL NO ESCÂNDALO, MAS DEVE ESCAPAR DA CASSAÇÃO

A deputada distrital Sandra Faraj está se saindo muito mal na sua própria defesa, neste último escândalo que abala a Câmara Legislativa.

Mas, na minha opinião, vai escapar da cassação.

Ela é acusada pelos donos da empresa NetPub de não ter pago os serviços dessa empresa, realizados em 12 meses, no valor total de R$ 174 mil.

Sandra apresenta uma justificativa horrível. Disse que pagou em dinheiro as notas fiscais referentes aos 12 meses e depois pediu o ressarcimento à Câmara Legislativa, pois o serviço foi feito para o seu Gabinete Parlamentar.

Meio estranho se pagar um valor tão alto em dinheiro, mas a deputada evangélica alega que mantinha em casa R$ 150 mil para bancar atividades políticas.

A desculpa vai acabar aceita pela CLDF, pois ninguém acredita que uma empresa possa trabalhar 12 meses sem receber e ainda pagando os impostos das notas fiscais emitidas. E ainda decide cobrar dois anos depois…

Sandra diz que tem recibos desses recebimentos por parte da tal NetWeb. É uma boa prova de defesa – se tiver mesmo. Quem assina recibo sem receber durante 12 meses?

Visto assim, como estou mostrando, dá pra ver que Sandra Faraj pode escapar da cassação, até porque a Câmara tem preservado outros deputados. Só pune quem é condenado pela Justiça.

Mas, convenhamos, a deputada Sandra Faraj se saiu pessimamente neste escândalo, desgastando-se como se tivesse culpa.

E fez uma negociação estranha (quase suspeita), ao pagar serviço de valor relativamente alto em dinheiro. Coisa antiga, da época do pé de meia, que o eleitor certamente vai levar em conta na próxima eleição. (RENATO RIELLA)

mar 07

GDF ESTÁ CORRENDO RISCO COM ESSES SALÁRIOS MILIONÁRIOS NAS ESTATAIS

O governador Rodrigo Rollemberg precisa abrir de forma organizada os salários pagos nas empresas estatais do GDF, que em muitos casos passam de R$ 50 mil.

Não dá, não dá, não dá!

É vergonhoso dizer que a Terracap, a Caesb e mesmo o BRB têm rendimentos próprios e por isso pagam salários altíssimos.

Próprio coisa nenhuma!

São empresas estatais, cercadas de subsídios, que manipulam recursos dos contribuintes e cobram taxas de todos nós.

Agora Rollemberg promete aprovar na Câmara Legislativa projeto de lei para corrigir esses abusos.

E o deputado Raimundo Ribeiro (PSDB), claramente de oposição, defende urgência na aprovação dessa lei.

Na verdade, quem precisa se mexer de forma dura é o governador, que passa o pepino para a Câmara Legislativa, abrindo mão da própria autoridade.

Os conselhos dessas entidades, se orientados de forma firme por Rollemberg, podem rever a remuneração dos cargos de confiança, independente de uma nova lei.

Como cobrar taxa extra de água se a Caesb vive uma situação de grande desgaste, com a divulgação insistente de que uma servidora recebeu R$ 94 mil num contracheque e que o presidente da empresa recebe pelo menos R$ 54 mil por mês?

O DF vive grave crise financeira e os salários pagos até na Novacap são muito superiores aos valores praticados pelo mercado brasiliense.

Na empresa privada, salário de até R$ 30 mil já é muito alto. Para ganhar perto dos R$ 50 mil, qualquer profissional precisa ter elevada produtividade, juntando comissões, participação em lucro, etc.

Rollemberg, como sempre mal assessorado, não consegue ver a gravidade dessa questão. Brasília pode explodir se as aberrações não forem corrigidas.  (RENATO RIELLA)

 

mar 06

EU E MEU AMIGO QUINTANA

51050343905__3D19AEC3-010A-47F4-BF81-EAA49B9D415D (1)Os intelectuais do PT, outros intelectuais e até gente simples do Brasil, que gosta de poesia, vão morrer de inveja de mim, que não sou nada.

A foto mostra o famosíssimo poeta gaúcho Mário Quintana me visitando na redação do Correio Brasilienze, em 1988, sendo recebido também pela chefe de reportagem Áurea Varjão.

Como muitas histórias que conto, é difícil de acreditar.

Num domingo, assinei página dupla no Correio, focalizando Quintana. Usei algumas fotos históricas dele, republiquei alguns poemas célebres e fiz um acabamento especial.

A página dupla tinha uma moldura de dez centímetros, na horizontal e na vertical, onde consegui jogar cerca de 50 frases e pequenos poemas do craque gaúcho. (Não guardo quase nada; não tenho cópia; sinto muito)

No dia seguinte, no meio da tarde, a redação estava vazia. Com Áurea ao meu lado, a gente revisava algumas pautas, quando um porteiro entrou preguiçosamente e falou:

-Tem um velho chamado Mário querendo falar com você!
-Pôxa, manda entrar este velhinho, cara!

Ficamos meio na espera. De repente, Áurea berrou:

-Porra, veja quem é o velho, meu Deus!
Era o próprio.

O Mário disse que passou o fim de semana na casa de uma sobrinha, quando deu de cara com a página assinada por mim. E pensou: “Preciso conhecer este baiano!” – brincadeira, brincadeira!

Sentou no meio da bagunçada redação, contou histórias, tomou o café contaminado, levou diversos exemplares do jornal, conheceu outros jornalistas e foi embora de bem com a vida (como sempre, alías).

Áurea está morando no Rio. Hoje sentiu saudade de mim e me fez esta surpresa, mandando pelo Gmail a foto histórica, na qual agarra Quintana como autêntica tiete.

Agradeci a ela com muito carinho:
-Oi, Aurinha, a gente era bonito pra cacete… (RENATO RIELLA)

mar 06

CPI PODERÁ INVESTIGAR MELHOR O ROMBO DA PREVIDÊNCIA

O projeto de instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito para investigar o caixa da Previdência Social está em vias de se tornar real.

O senador gaúcho Paulo Paim (PT) autor do projeto, está obtendo votos favoráveis à instalação do colegiado até mesmo de correligionários do Executivo. Ele pretende esclarecer e encerrar a polêmica sobre o possível rombo do Órgão da seguridade social brasileira.

Paulo Paim, desde a apresentação do projeto de instalação da CPI da Previdência no plenário para votação, vem angariando cada vez mais apoiadores e votantes em favor de sua iniciativa.

O objetivo, em declarações aos diversos veículos de imprensa nos últimos dias, é conseguir assinaturas suficientes para suplantar até mesmo a pressão do presidente para desfazer a implantação do colegiado, que tem apoio até mesmo de senadores do próprio PMDB.

Diversas entidades em favor de aposentados, pensionistas e trabalhadores das esferas pública e privada declaram apoio ao projeto do senador Paim.

Entre elas está a Associação Brasileira de Apoio aos Aposentados, Pensionistas e Servidores Públicos, A ASBP.

De acordo com a advogada e consultora jurídica da Entidade, Carla Oliveira, muitas coisas serão esclarecidas com a instalação da CPI da Previdência Social.

“O colegiado (CPI) surge em um momento muito oportuno. Sabemos que quem já é beneficiário da Previdência tem os seus direitos adquiridos garantidos. O problema é para quem é contribuinte do sistema previdenciário e ainda vai se aposentar, pois uma leitura do texto da reforma proporciona uma análise dos especialistas em Direito Previdenciário de que a reforma é desfavorável”, observou a jurista da ASBP.

mar 06

INFLAÇÃO CAI, CAI E CAI, E JÁ ESTÁ EM 4,36%, SEGUNDO ESPECIALISTAS

 

O mercado financeiro manteve a previsão para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 4,36%, de acordo com o boletim Focus, uma publicação divulgada todas as segundas-feiras pelo Banco Central (BC).

A projeção para a inflação este ano está abaixo do centro da meta de 4,5%. A meta tem ainda limite inferior de 3% e superior de 6%.        Estas projeções são obtidas pelo Banco Central em pesquisa semanal que faz com os maiores especialistas da economia brasileira.

Para 2018, a estimativa também não foi alterada e segue em 4,5%.

A projeção de instituições financeiras para o crescimento da economia (Produto Interno Bruto – PIB – a soma de todas as riquezas produzidas pelo país) este ano foi ajustada de 0,48% para 0,49%.

Para 2018, a expectativa é que a economia cresça 2,39%.

Para o mercado financeiro, a taxa oficial de juros Selic encerrará 2017 em 9,25% ao ano e, em 2018, em 9% ao ano. Atualmente, a Selic está em 12,25% ao ano.

 

mar 06

GOVERNO TEMER TEM ESPERANÇA DE APROVAÇÃO INTEGRAL DA REFORMA PREVIDENCIÁRIA

O presidente Michel Temer trabalha para aprovar uma reforma da Previdência “o mais fiel possível” à proposta enviada ao Congresso Nacional pelo Executivo no fim do ano passado.

A informação é do secretário de Previdência do Ministério da Fazenda, Marcelo Caetano, confiando na avaliação da Câmara Federal e do Senado.

Caetano disse ainda que, mesmo com a recuperação do dinheiro dos devedores da Previdência, a reforma do sistema é “absolutamente necessária”.

Parte desse débito é considerado de difícil recuperação, por se tratar de dívida antiga e, muitas vezes, de empresas que declararam falência.

“Só no ano passado, o déficit do INSS [Instituto Nacional do Seguro Social] já chegou a R$ 150 bilhões. A dívida é um estoque. É um dinheiro que está lá, recuperou e acabou. O déficit é um fluxo. Todo ano está tendo e com tendência de aumentar ao longo do tempo, por conta do próprio processo de envelhecimento populacional”, disse o secretário.

Esta semana será decisiva para a reforma previdenciária.

mar 03

SEM ELEIÇÕES DIRETAS, O PARLASUL PODE SE TORNAR UMA ONG

 AYLÊ-SALASSIÉ F. QUINTÃO

Portas que se abriram para a integração dos sistemas produtivos nacionais e para  o mercado de trabalho regional, o Mercosul e o Parlasul agonizam, ante a omissão dos governos,  a indiferença dos políticos e o desinteresse da imprensa.

A criação do       bloco econômico  em 1991,  reunindo Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai, projetou a alternativa de um desenvolvimento comum e a promoção da autonomia política regional.

Na fase inicial,  gerou resultados surpreendentes na balança comercial  de cada país, ativou negócios, amenizou conflitos potenciais, aumentou a circulação de empresários e cidadãos  nativos dentro da própria região.

Acabo de ler  o livro Parlasul: o espaço político da integração (vol 218, Editora Senado Federal, 2016)escrito pelo jornalista Marcos Dantas Magalhães, correspondente da Agência de Notícias do Senado para o  Mercosul, do qual brotou o Parlamento. Uma contribuição pragmática, distanciada,  texto e metodologia jornalística impecáveis.

Configura-se quase como uma fonte primária, embora, no meio acadêmico, haja resistência em considerar notícias de jornal como recurso para análises científicas .

Jornalistas  são, contudo,  olhos, ouvidos e ,às vezes, por suas qualificações e experiência, os únicos a captar o sentido dos fatos do cotidiano, aqueles que mexem, remexem e incomodam os cidadãos.

A leitura do livro sobre o Parlasul  fez-me voltar ao Americanidade: passaporte para a integração…, de minha autoria (SF, 2010, vol. 128) .De uma perspectiva acadêmica, acompanhei os momentos palpitantes e as inflexões no Mercosul, por meio das matérias e análises cotidianas dos jornalistas correspondentes .

Sem o registro atento e responsável daqueles profissionais, os pesquisadores estariam até hoje interpretando versões da história das duas instituições integracionistas configuradas por interesses , intrigas, ideologias e até visões exóticas.  Daí entender que a imprensa funciona como uma plataforma para a historicidade.

São outros quinhentos pretender  “…escovar a história a contrapelo…”, conforme sugere Walter Benjamin(1994), uma provocação indigesta para a discussão sobre a competência para ocupar o Lugar de Fala do jornalista.

Como jornalistas, cidadãos,  tanto eu quanto o Marco não nos livramos de uma passionalidade contida: []a porta para fechar é  aquilo que se abre[…]”(p.477). Minha abordagem é cultural, a do Marcos processual :“- Se não houver eleições diretas, o Parlasul vai virar uma ONG “(p.169). Os dois trabalhos são provocativos: pedem aprofundamento e reações.

Cheguei a propor ao Instituto de Estudos Legislativos do Senado a criação de uma Cátedra do Mercosul, com a finalidade de qualificar profissionais para a integração. Houve certo entusiasmo mas, depois, a proposta evaporou.

No trabalho do Marcos, no meu, no do Chico Sant‘Anna (Midia das Fontes, SF, 2009) e em dezenas de outros sobre o tema conclui-se que a integração só acontecerá quando a cidadania americanizar-se, chegar à população.

Se verdadeira a hipótese, a imprensa é indispensável para a integração. O jornalismo carrega consigo uma metodologia pedagógica, que chamo de “educação informal”, embora  a grande imprensa na América Latina atue pautada na ideia do bad news good news, que nos países liberais conspurca a liberdade de informação e, às vezes, a própria verdade.

Sua guardiã é a Sociedade Interamericana de Imprensa, suficientemente conservadora, ao expor a imprensa regional ao provincianismo. Copia-se tudo, não se produz nada.

Esse jornalismo abriga também, com grande infidelidade à profissão, tipos psicopáticos que, pelo irrealismo e limitações próprias, distorcem os fatos, a história e o destino das pessoas.

Como “quixotes”, estão sempre a imaginar a desconstrução. Refletem mundos particulares, confusos, idealizados em atitudes religiosamente messiânicas. Resulta daí um  conjunto de panacéias populistas, que jogam  no limbo projetos, estudos e  experiências preciosas.

Ora,  si somos americanos/somos hermanos señores! Precisamos cultivar uma prática e um norte gerado por aqui mesmo, escoimado das patologias – distinguidas com dificuldade – e dos preciosismos teorizantes.

A palavra “integração”, tem de adquirir significado próprio nos embates da vida cotidiana regional. É uma discussão para ser conduzida  por um “ Jornalismo de Agenda Positiva”, de construção de mundo, de reconfiguração.

Confrontando algumas passagens e personagens do livro do Marcos com eventos e atores  presentes nos cenários de ontem e de hoje ,  pode-se visualizar  claramente os  momentos de perdas de oportunidades no processo  . Aqueles em que ideais e iniciativas originais desviados do seu curso desfizeram, por exemplo, sonhos da geração de milhares de empregos potenciais no campo e na cidade.

Conclui-se que a integração poderia  estar cem anos adiantada se as sociedades regionais estivessem impregnadas do espírito da  americanidade, refletido, no mínimo, nas eleições diretas para o Parlasul. De outro lado, se o jornalismo fosse mais proativo e crítico em relação à integração.

Para o nosso provincianismo é indiferente. Os políticos e a imprensa liberal, instalados numa zona de relativo conforto, parecem acreditar que dá menos trabalho evitar assumir esse compromisso.

Aylê é jornalista, professor  doutor em História Cultural

mar 03

TEMER FORTALECE RELAÇÃO COM PSDB NOMEANDO ALOYSIO NUNES PARA iTAMARATY

O senador Aloysio Nunes Ferreira, do PSDB, vai assumir o Ministério das Relações Exteriores, substituindo o senador  José Serra, também do PSDB, que pediu demissão do comando do Itamaraty, alegando problemas de saúde.

Caberá a Aloysio Nunes representar o Brasil em compromissos internacionais e junto a embaixadas estrangeiras no Brasil, além de chefiar as delegações brasileiras no exterior.

Em maio, depois que Temer assumiu a Presidência, ainda na interinidade, Nunes foi escolhido para a liderança do governo no Senado, numa aproximação com o PSDB que é crescente.

De acordo com o Palácio do Planalto, Aloysio Nunes e o novo ministro da Justiça e Segurança Pública, Osmar Serraglio, cuja confirmação no cargo foi feita há uma semana, tomarão posse na próxima terça-feira (7).

fev 27

A MÚSICA SERTANEJA ESTÁ DOMINANDO PORQUE TEM QUALIDADES. ACREDITE!

Não tenho mais idade para ir embora do Brasil e por isso tento a cada momento entender meu país.

O grande exercício é superar os preconceitos. Foi assim com os evangélicos. Hoje tenho muitos amigos nessas igrejas e reconheço que há iniciativas boas e ruins – como tudo na vida.

Agora estou tentando entender a música sertaneja, coisa difícil para um cara que adora Tom Jobim, Caymmi, Gil, João Gilberto, Elis, Marina Lima, Marisa Monte e outros nomes sofisticados.

Mas a verdade é que o Brasil foi tomado pelos herdeiros de Xororó e Zezé de Camargo, milhares de moças e rapazes de nomes estranhos, que ocupam a grande maioria das rádios FM.

Passei a ouvir essas rádios e consigo entender. Superando o preconceito, muitos desses cantores (maioria em dupla) têm grande domínio instrumental, com ótimos arranjos.

As músicas são chocantes, pelo estilo padronizado de neosertanejo (ex-universitário), de um romantismo dramático ou de uma irreverência que me deixa acanhado, corado, até assustado.

Mas têm qualidade e capacidade de crescer cada vez mais, ampliando o domínio de mercado, mesmo sob bombardeio da mídia preconceituosa.

Ninguém chega ao topo sem valor. É muito fácil afirmar que esses cantores e cantoras estão se valendo da ignorância dos brasileiros. Não subestimem o nosso povo.

E, para citar um exemplo, dou de presente a vocês uma música brilhante e emocionante de Zezé de Camargo.

Continuo ao lado de Caetano, Lulu, Raul, Titãs, mas de vez em quando vou ouvir as rádios bem populares. Há sinal de vida inteligente por lá, acreditem. Amigas e amigos, tenham vergonha do seu excesso de preconceito. (RENATO RIELLA)

Posts mais antigos «