«

»

jun 19 2015

ODEBRECHT E ANDRADE GUTIERREZ: UM NOVO HÁBITO VAI MUDAR A VIDA DESSES HOMENS

 

RONALD DE CARVALHO
A prisão desses homens da nobreza empresarial pode mudar a direção de investigação Lava Jato. No dia que eles forem apresentados a uma “Privada Turca “ e tiverem que defecar na frente dos companheiros, a realidade será outra.

Dormir em colchonetes, comer quentinhas e viver a rotina de presos comuns, faz com que a nobreza dos empreiteiros pense muitas vezes antes de se calar e não fazer uma delação premiada.

A prisão dos presidentes da Odebrecht e da Andrade Gutierrez colocou a cúpula do PT em “estado de alerta” e preocupa o Palácio do Planalto pelos efeitos negativos na economia.

Marcelo Odebrecht e Otávio Marques de Azevedo foram presos nesta sexta-feira (19) no âmbito das investigações da Operação Lava Jato.

Na avaliação do governo, contudo, “não há o que fazer”, até porque a nova fase da operação que investiga um esquema de corrupção na Petrobras promete fazer jus a seu nome latino e “valer para todo mundo”.

Isso porque a “Erga Omnes” (expressão em latim que significa “para todos” e que em direito designa a ação que vale para todos os cidadãos, mesmo que não tenham ingressado em juízo) não atinge apenas figuras centrais ligadas ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Não é segredo que Marcelo Odebrechet e Otávio Azevedo, da Andrade Gutierrez, têm excelentes relações não só com o petista, mas também com a oposição –especialmente o PSDB.

Durante a campanha presidencial de 2014, segundo esses interlocutores do governo, ambos os executivos fizeram chegar reservadamente ao Planalto a sua intenção de votar na oposição.

De todo modo, o nível de alerta é maior entre os petistas. Desde o fim do ano passado, governo e partido trabalhavam com a informação, que circulava no meio empresarial e político, de que Marcelo Odebrecht não “cairia sozinho” caso fosse preso na Lava Jato.

A empresa sempre negou tais ameaças. Entre empresários e políticos, contudo, as supostas ameaças eram vistas como um recado ao PT dada a proximidade entre a Odebrecht e Lula –a empresa patrocinou viagens do ex-presidente ao exterior, para tentar fomentar negócios na África e América Latina.

Um dos presos nesta sexta (19), aliás, é Alexandrino Alencar, diretor da Odebrecht que acompanhava pessoalmente Lula em suas viagens às custas da empreiteira após deixar a Presidência. Este dado causou particularmente “pânico” entre alguns aliados do petista.

Esses interlocutores vão ainda além, dizendo que a polícia “quer pegar o Lula”. Contemporizam, contudo, ao comentar a relação das empresas com políticos da oposição.

Na PF, que naturalmente nega qualquer viés político em suas operações, a preocupação maior é a de que o escopo atingido nesta fase da Lava Jato posso trazer mais pressão contra sua ação. Reservadamente, dentro do órgão se diz que “agora nenhum partido irá nos defender”.

Apesar da avaliação de que a ação da PF era inevitável, o Planalto também teme o efeito econômico desta fase da operação.

A Odebrecht é a maior empreiteira do Brasil, e o cenário já ruim na construção civil pode piorar ainda mais a recessão que atinge o país neste ano.
Por outro lado, há a possibilidade de atração de empresas estrangeiras para o programa de concessões recentemente lançado pela presidente Dilma, além de dar mais espaço para as pequenas e médias empresas brasileiras.

CompartilheShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>


*