«

»

set 29 2013

POLÍTICOS NÃO ESTÃO NEM AÍ PARA O CRESCIMENTO DO ANALFABETISMO

RENATO RIELLA

Tenho afirmado que o Brasil não perde nada se extinguir todos os partidos, criando-se alguma outra forma de representação política. É claro que isso não vai acontecer, mas nenhum partido faz falta no Brasil – e acabam de ser criados mais dois, absolutamente inúteis e cem por cento suspeitos de tudo o que existir de ruim na política.

Para provar que não temos partido nem sensibilidade política, mostro que ninguém  na política brasileira (nem mesmo a presidente Dilma) reagiu minimamente para a notícia de que o analfabetismo cresceu no Brasil de 2011 para 2012. Eram 12 milhões de pessoas sem leitura e agora são mais de 13 milhões. Isso sem contar os chamados analfabetos funcionais, que podem assinar o nome, mas não leem nada. Estes multiplicam os milhões de iletrados.

Ninguém, em nenhum partido, veio a público para assumir o compromisso contra essa praga que domina o país há séculos. Aécio Neves, o pretenso candidato a presidente pelo PSDB, podia jurar que passaria a lutar, com prioridade total, para reduzir a níveis invisíveis o analfabetismo no Brasil.

Marina Silva, esperança de mudança, não teve sensibilidade para abordar o tema. Eduardo Campos, do PSB, poderia mostrar se fez alguma coisa boa nessa área em Pernambuco, onde é governador.

O analfabetismo não preocupa os políticos.

CompartilheShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>


*