«

»

out 11 2013

Brasil, um país sem ícones, nem sonha com o nobel

RENATO RIELLA

No momento em que a escritora canadense (sem fama mundial) Alice Munro, 82 anos, é a vencedora do prêmio Nobel de Literatura, registro com preocupação que o Brasil é um imenso país, riquíssimo, que só tem um ícone internacional vivo: Pelé.

A Academia Sueca mais uma vez não levou em consideração qualquer cientista ou escritor brasileiro, ao anunciar os vencedores do Prêmio Nobel. E, realmente, não temos ninguém vivo e com imagem construída que mereça esta homenagem.

O principal consultor de moda do Brasil hoje é Jum Nakao, com quem convivo uma vez por ano no evento Capital Fashion Week. Ele foi honrado com a missão de coordenar o encerramento da Olimpíada de Londres, em 2012 (a parte brasileira, antecipando a Olimpíada do Rio), tarefa que desempenhou com brilhantismo.

Perguntei por que decidiram levar Marisa Monte como principal atração musical. E por que centraram no velho Pelé e num “anônimo” varredor de rua o foco do palco.

Ele observou que o Brasil está carente de ícones. E mostrou que a velha Inglaterra tem centenas de nomes de elevada expressão, passando por Paul McCartney, James Bond e até o adorável Mister Bean, sem contar a família real.

No Brasil, tivemos Oscar Niemeyer, Tom Jobim, Carmen Miranda, Glauber Rocha, Cesar Lattes, Guga, Oscar do Basquete, Joãosinho Trinta e muitos outros. Tivemos! Desses, os que não morreram foram jogados numa faixa regional, de pouco destaque na mídia mundial.

Michel Teló seria, em 2012, uma ótima opção internacional, mas despertaria preconceituosas reações da elite intelectual brasileira. O mesmo se pode dizer de Ivete Sangalo, o maior nome atual da música brasileira, rejeitada por ser originária do Axé.

O Brasil tem Lula, como político de grande expressão em todos os continentes, mas ele está tão vinculado à política e aos desmandos do PT, que não dá para ser utilizado.

Quanto ao Prêmio Nobel, sinceramente, é mais fácil ver Neymar ser escolhido o Melhor Jogador do Mundo, do que um brasileiro receber a quantia de um milhão de dólares da Academia Sueca.

E, na Olimpíada do Rio, que usemos as câmeras internacionais para projetar brasileiros de valor que estão por aí meio escondidos. Acredito que temos valores. Quem?

CompartilheShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>


*