«

»

jun 25 2015

ESPIONAGEM INTERNACIONAL, O FAZ-DE-CONTA

FRANCISCO SEIXAS DA COSTA

É muito curiosa a atitude de “espanto” de alguns poderes europeus quando confrontados com a “evidência” da espionagem americana no seio das suas estruturas, como agora sucedeu em França. Há meses foi Angela Merkel a protestar, antes fora Dilma Rousseff

Pressionados pelas opiniões públicas ou por alguns políticos mais vocais, as chancelarias afetadas reagem sempre com “indignação” a esta intrusão, a qual, na generalidade dos comentários, se afigura contrastante com “as excelentes relações de cooperação e amizade” existentes entre os EUA e esses Estados.

Como é obvio, os americanos, apanhados na tramóia, pedem desculpa, fazem um ato de contrição e… olham para o outro lado, deixando a NSA atuar. Até à próxima revelação, claro.

O que mais surpreende nas reações em face destas “revelações” é que a opinião publicada ainda lhes confira alguma importância. É que só uma grande ingenuidade pode fazer crer que se tratou de uma “surpresa” para alguém que os EUA andem a espiolhar os seus aliados. Há pilhas de livros que provam que, desde sempre, Washington sempre fez isso com regularidade.

Mas também é mais do que óbvio que outros países, com maior ou menor sucesso, tentam a todo o custo obter informação classificada alheia e que, sem ser necessário dizê-lo, este jogo “do gato e do rato” é uma rotina vetusta nas áreas da “intelligence” internacional. Isto é surpresa para alguém? Não brinquem…

 

CompartilheShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>


*