«

»

out 10 2013

Juros aumentam e ameaçam promessa eleitoral de dilma

 RENATO RIELLA

A queda dos juros representava para a presidente Dilma Rousseff o que foi o Plano Real para o presidente Fernando Henrique Cardoso. Aos poucos, a população começou a perceber que estava pagando menos nas compras a prazo e no uso de cheque especial, de cartões, etc.

Esse trunfo político está sendo perdido por Dilma, pois a taxa anual de juros Selic começa a se aproximar dos dois dígitos e desde ontem está em 9,5%.

Na campanha eleitoral de 2010, Dilma prometeu ao eleitorado que os juros ficariam abaixo dos dois dígitos – e isso aconteceu. Mas agora, ainda este ano, se houver nova elevação de 0,5%, sua promessa estará quebrada.  

Ontem, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central elevou a taxa Selic de 9% para 9,5% ao ano. Foi o quinto aumento seguido desde abril, dos quais quatro com variação de 0,5 ponto percentual.

Alega-se que a elevação da taxa de juros foi mantida para conter a demanda doméstica por compras e impedir o avanço da inflação, que acumula 5,86% nos últimos 12 meses. Ao final da sétima reunião do ano, o Copom divulgou que “a decisão contribuirá para colocar a inflação em declínio e assegurar que essa tendência persista no próximo ano”. A decisão do Copom foi por unanimidade.

 

DÍVIDA PÚBLICA ABALADA

COM AUMENTO DA SELIC

De acordo com números do Tesouro Nacional, referentes a agosto deste ano, 22,6% da dívida mobiliária federal estavam atrelados à Selic. A dívida pública brasileira é motivo de preocupação para os organismos internacionais e ultrapassa a casa dos R$ 2 trilhões, correspondendo hoje a 68% do PIB.

O Dieese calcula que cada subida de 0,5 ponto percentual na Selic equivale a acréscimo de R$ 3 bilhões/ano na dívida pública, transferidos em grande parte para os bancos, que são os maiores credores do Estado, e para especuladores internacionais, que captam dólares no exterior a taxas baixas para se dar muito bem no Brasil.

Vale registrar, com grande preocupação, que o Brasil despeja mais de R$ 200 bilhões este ano para cobrir despesas com essa dívida pública de R$ 2 trilhões. Esse compromisso gera grande aperto orçamentário para o governo federal.

A taxa básica de juros cresceu 2,25 pontos percentuais no ano – passou de 7,25%, em abril, para os atuais 9,5% – e, de acordo com expectativas dos analistas financeiros, deve aumentar ainda mais nas próximas reuniões.

Apesar do abrandamento da inflação nos últimos três meses, os analistas acreditam que a taxa básica de juros terminará o ano em 9,75% ou 10%.

CompartilheShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>


*